Uma história de aventura e ficção científica no site da Córsega

– Era a história em quadrinhos para você trabalhar para fazer?
Depois de estudar design gráfico que deveria ter me levado aos quadrinhos, preferi me concentrar no desenho e na ilustração, porque, em todo caso, é o que sempre me agradou desde que tive idade para fazer qualquer coisa. Depois de alguns anos numa série de “tarefas” variadas e variadas, desde figurino a “shows” de desenho em boates etc. e até o melhor deles, acabei por experimentar os quadrinhos, uma área que combina desenho com limitações, invenção e narração de histórias, tudo isso de uma perspectiva popular. Juntos, eles vão totalmente na direção da minha filosofia artística.

Seu relacionamento com a Córsega?
– Córsega, eu pratico como turista, não vamos nos esconder! Eu gostaria de poder enraizar minhas raízes Corte ou Ajaccio, mas não. Sou um Benzotto básico e pior que Paris. Desde 1978, faço isso anualmente, o que é muito tempo. Como muitos residentes do continente, adoro esta ilha, o seu mar, as montanhas, etc … e tenho uma relação especial com os seus habitantes. Mas, ao contrário de muitos continentais, este relatório não é incomum: uma certa forma de desconfiança mesclada com cumplicidade exagerada, tingida de condescendência e lisonja. Minha relação pessoal com a Córsega ainda está em análise, mas digamos longe, sem ser distante e arrogante, curioso, às vezes divertido e sempre gentil. Olha, eu queria contar minha história. Mas me afasto … Para os quadrinhos, queria falar de um lugar maravilhoso, ainda preservado, mas ameaçado por uma época em crise que deve escolher entre economizar e lucrar, digamos assim. A Córsega me parecia o lugar perfeito.

See also  Didier Raoult bateu novamente

– A ideia desse comediante Agughia?
– A ideia surgiu do facto de eu querer fazer uma banda desenhada ao estilo 7Os, “à la Valérian” para falar a verdade. História, gênero de ficção científica e, portanto, eficaz, mas com aspecto de conto de fadas. Não uma carta, não um grande discurso, mas para traçar um enredo, que espero divirta-se, no contexto de um olhar crítico sobre alguns dos excessos do mundo atual. E é, de fato, para mim, um sexto interesse: falar do presente com uma caligrafia estranha e exagerada.
– Tema ? Como seu trabalho está organizado?
– Como te disse, ainda vou muito à Córsega. Portanto, não foi um problema de documentação. Em seguida, pintei os painéis em Paris, então alguns acharão que sou um pouco lateral. Então, também é SF, então eu também não estava procurando a verdade absoluta das paisagens e da Córsega em sua identidade.
– Tem também a questão da ecologia, meio ambiente e turismo …
– Meio ambiente, mudanças climáticas, etc … É difícil ignorar, principalmente quando você vê a natureza extraordinária da ilha, para dizer que está na hora certa. Betão, incêndios etc … Quanto ao turismo, todos os anos vejo crescer mais ou menos na Córsega, e desenvolve-se mesmo assim. Não consigo cuspir nisso, porque não sou corso, ficaria um pouco inchado. Suponha que o turismo de massa dos mais pobres, associado ao turismo dos super-ricos, ainda represente algo um tanto desolador.

Você é roteirista e animador ao mesmo tempo?
Eu gosto de fazer as duas coisas, mesmo que pintar “para” outra pessoa tenha um lado calmante de vez em quando. Freqüentemente, ouvimos escritores, diretores ou colegas dizerem que são contadores de histórias. Eu sou um contador de histórias. Sempre começo com uma abordagem gráfica antes de abordar a história e, desenhando, a linha que estou tentando incorporar.

See also  Ciência ou nossos valores europeus?

– Projetos?
– Ainda é um pouco misterioso, mas há um tempo venho trabalhando na mitologia irlandesa. Aqui está outra ilha que amo, a Irlanda. Talvez em um prazo razoavelmente curto eu volte a fazer isso para sempre.

*Edições de Dargaud

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *