Um prédio desabado em Miami: o sofrimento de moradores e familiares de desaparecidos

Famílias de moradores de um prédio desabado perto de Miami passaram a quinta-feira olhando para o nada ou chorando, esperando tristemente por notícias de seus entes queridos, enquanto os residentes buscavam uma solução para se reinstalar após um desastre que deixou pelo menos um morto e 99 desaparecidos.

• Leia também: Trágico colapso de prédio na Flórida: um morto, quase cem desaparecidos

Perdi tudo “, disse Eric de Moura, 40, em frente ao Centro Comunitário em Surfside, uma pequena comunidade do condado de Miami-Dade onde ele tentará encontrar moradia para os próximos dias.

Este brasileiro morou por três anos no décimo andar do complexo Champlain Towers, parte do qual desabou no meio da noite por um motivo ainda não especificado.

Ele se considera um “fazedor de milagres” porque decidiu ontem à noite dormir com sua namorada em vez de ir para casa.

“Estou sem-teto, perdi meus papéis, minhas roupas, meu green card, meu dinheiro”, explica ele, dividido entre a tristeza e a alegria da vida: “Voltei para ver o prédio, é um choque. muito sofrimento, mas estou feliz por estar vivo. ”

Por outro lado, Eric de Moura está preocupado com o destino de seus vizinhos.

“Tudo desmoronou. Acho que as pessoas na minha terra estão mortas”, gritou ele.

Esses moradores desfrutam da melhor vista para a praia e o mar. Foi essa parte que desabou como um castelo de cartas durante a noite.

Equipes de busca – bombeiros, polícia e cães – passaram o dia tentando encontrar sobreviventes sob os escombros, enquanto um guindaste removia os escombros e um helicóptero pairava no alto.

O resto do prédio de 12 andares estava intocado e algumas varandas de ferro foram removidas, mas todos os residentes foram evacuados como medida de segurança e o bairro foi isolado em várias ruas.

See also  Lago da Patagônia fica rosa, poluído com produtos químicos

Os moradores se encontraram a vários quarteirões de distância, e o centro comunitário foi transformado em uma masmorra de abrigo e alívio.

Lá eles ficam esperando para se mudar, em família, com parentes ou em hotéis que oferecem quartos. Outros estão esperando para descobrir o destino de seus parentes que vivem no prédio.

Os voluntários trouxeram água, café, almoços embalados, roupas e cobertores, e equipes da Cruz Vermelha americana e serviços de emergência estão lá para acalmá-los. As pessoas vêm e vão, algumas permanecem sentadas, imóveis e olham fixamente para o espaço, outras reprimem o choro severamente.

Mais de 1.000 pessoas passaram pelo centro, confirma Ron Ben Hayon, um voluntário de 22 anos. Este morador do norte de Miami voltou ao bairro de sua infância para ajudar.

Nesta cidade onde existe uma grande comunidade judaica, “ajudamos a todos e não somos exceção”, diz ele.

“É um choque enorme” para a comunidade e a cidade, diz o jovem, que voltou de Israel onde cumpriu o serviço militar.

Anteriormente, o ministro das Relações Exteriores israelense Yair Lapid disse que havia falado com o líder da comunidade judaica em Miami, dizendo que o estado judeu estava “fazendo de tudo para ajudar as forças no terreno, os feridos e as famílias”.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *