UEFA Champions League: Brigada Portuguesa da Cidade x Chelsea FC

Manchester City e Chelsea se enfrentarão no sábado na final da Liga dos Campeões em um duelo 100% inglês.

DrAtrás de um cartaz frente a duas equipas inglesas, a final da Champions League, no sábado, no Porto, será o palco de uma batalha entre a frota do Lusitania do Manchester City e a equipa alemã do Chelsea.

Uma cidade com Silva, Cancelo e Dias

O trio português da cidade formado por Bernardo Silva, João Cancelo e Ruben Dias veio inteiramente da formação do Benfica Lisboa, mas os dois primeiros conheceram-se particularmente bem depois de uma viagem paralela que os levou ao norte da Inglaterra.

Ambos nascidos em 1994, os médios-ofensivos Silva e Cancelo arrecadaram juntos troféus nas categorias de base do Benfica antes de defrontarem o treinador Jorge Jesus, que os levou ao exílio, dando-lhes pouco tempo para passarem o jogo.

Silva fez a rota do Mônaco e Cancelo, da rota do Valência e da Juventus. Seu talento está se tornando evidente, e o Manchester City gastará 50 milhões de euros no maestro canhoto, em 2017, e 65 milhões de euros, no pistão destro, em 2019.

Ao contrário de Silva e Cancelo, que tiveram de os substituir no plantel de Pep Guardiola, o último dos três portugueses, o guarda-redes Ruben Dias, conseguiu eliminá-lo desde o início.

Recrutado directamente ao Benfica por 68 milhões de euros, uma transferência recorde para o City para um defesa, Dias aumentou a pressão para reforçar um sector que tem lutado para preencher a lacuna deixada por Vincent Kompany.

Mas o transplante prevaleceu e Robin Dias se tornou o técnico menos espancado da Inglaterra, considerado o melhor jogador da Premier League pelo College of English Journalists (FWA), o primeiro como zagueiro desde 1989.

READ  Euro 2020: canção oficial de Portugal "Vamos com tudo"

Ainda um pouco astuto quando saiu de Lisboa, Dias melhorou muito o seu estilo de ataque para se tornar, segundo Guardiola, “um defesa central fantástico (…) que lidera a linha de defesa e ajuda os outros a tomarem boas decisões”.

Chelsea com Havertz, Werner e Rudiger

Ao atrair no verão passado Kai Havertz por £ 72 milhões (€ 83 milhões) e Timo Werner por £ 48 milhões (€ 55 milhões) – que se juntou a Antonio Rudiger, no clube desde 2017 – – o Chelsea deu-lhes um forte sotaque alemão. Poder do homem.

Quase uma tradição para os Blues que já contaram com alguns jogadores importantes da Bundesliga como Robert Huth, Michael Ballack e Andre Schurrle.

No papel, recrutar dois atacantes muito promissores e procurados era um sonho e deveria revitalizar o ataque de Londres.

O caso ainda não foi um sucesso absoluto. Havertz e Werner marcaram apenas 20 gols em todas as competições, e o constrangimento do ex-Leipzig diante do gol é tanto ironia quanto desânimo.

Para tentar colocá-los nas melhores condições possíveis e obter um retorno sobre o investimento, o Chelsea não hesitou em sacrificar seu ídolo Frank Lampard neste inverno para trazer o ex-técnico do Paris Saint-Germain, Thomas Tuchel.

Mas apesar de uma comunicação decididamente mais fácil e de uma confiança que nunca foi negada às custas de Tammy Abraham ou Olivier Giroud, as dificuldades de ataque dos Blues quase custaram-lhes um lugar nos quatro primeiros ingleses e a qualificação para a próxima Liga dos Campeões.

A chegada de Tuchel e seu sistema de troca de três vias teriam pelo menos a vantagem de liberar Rüdiger completamente.

Muitas vezes esquecido por Lampard, o atlético zagueiro recuperou toda a agressividade e força nos duelos, ao lado de Thiago Silva que trouxe muita calma atrás de si.

READ  Jogos Olímpicos de 2020: o nadador português Jose Paulo Lopez é muito ambicioso

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *