Trump responsabiliza Biden pelo progresso do Taleban no Afeganistão

Washington | O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, culpou na quinta-feira seu sucessor, Joe Biden, pelos avanços militares do Taleban no Afeganistão, dizendo que a situação atual era “inaceitável”.

• Leia também: Afeganistão: Talibã toma a cidade de Ghazni, 150 km a sudoeste de Cabul

• Leia também: Afeganistão: o Talibã avança para o norte e o oeste

• Leia também: Biden diz que não se arrepende de sua decisão de retirar as tropas dos EUA

“Se eu fosse presidente agora, o mundo saberia que nossa retirada do Afeganistão é condicional”, disse Trump em um comunicado.

“Poderia ter sido uma retirada muito diferente, uma retirada mais bem-sucedida, e o Taleban sabia disso melhor do que ninguém”, acrescentou.

“Eu pessoalmente conversei com líderes do Taleban que entenderam que o que estão fazendo hoje não será tolerado”, disse ele.

O Taleban ocupou na quinta-feira a cidade estratégica de Ghazni, 150 quilômetros a sudoeste de Cabul, e está fechando perigosamente perto da capital afegã depois de tomar a maior parte da metade norte do país em poucos dias.

Donald Trump, que perdeu as eleições de novembro de 2020, mas continua sendo uma força dentro do Partido Republicano, não especificou como ele teria evitado que os rebeldes avançassem.

Sob sua autoridade, os Estados Unidos assinaram em 29 de fevereiro de 2020, um acordo com o Taleban, no qual Washington se compromete a retirar todas as forças americanas do Afeganistão antes de 1º de maio de 2021.

Em troca, o Taleban prometeu entrar em negociações de paz com o governo afegão, abster-se de atacar as forças dos EUA e seus interesses no Afeganistão e cortar os laços com a Al-Qaeda.

See also  Protestos em Cuba: Trudeau condena 'repressão violenta'

Depois de assinar esse acordo, o governo Trump reduziu drasticamente a presença militar dos EUA no Afeganistão e prometeu cumprir o prazo de 1º de maio para uma retirada completa do país.

O enxugamento dos militares dos EUA no Afeganistão continuou após as eleições de novembro e, quando Biden assumiu o cargo em 20 de janeiro, havia apenas 2.500 militares dos EUA e 16.000 auxiliares civis no país.

Joe Biden suspendeu as retiradas ao chegar à Casa Branca para ter tempo de analisar a situação e, em abril, confirmou a retirada total dos militares do Afeganistão.

A data foi inicialmente adiada para 11 de setembro e depois para 31 de agosto.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *