Tour da Lombardia: Eslovênia pronta para desfrutar dos últimos clássicos

A Eslovênia irá beliscar Il Lombardia, o nome contemporâneo para o Tour da Lombardia? Grande favorito, Primus Roglic e Tadej Pogacar enfrentam o memorial final da temporada de ciclismo, que corre entre Como e Bergamo no sábado ao longo de uma pista acidentada de 239 km.

Pelo seu perfil, o grande clássico italiano é uma reminiscência de Liège-Bastogne-Liège, onde os eslovenos eliminaram duas versões recentes (Roglic em 2020, Pogacar em 2021). Ainda que o rumo adotado entre as duas cidades lombardas, ao contrário dos quatro anos anteriores, seja favorável aos escaladores, com a longa subida no sertão de Bérgamo antes da última ladeira propicia festas a menos de 4 quilômetros do final.

Em seu ímpeto do Tour d’Emilie (último sábado) e Milan-Torino (quarta-feira), Roglic cumpre todas as condições para vencer quando a previsão do tempo oferece bom tempo, sem chuva e, portanto, sem riscos adicionais para a descida. “Estou no meu melhor”, confirma o vencedor da Vueltaa, cujas duas corridas anteriores no Tour da Lombardia terminaram em fracasso (sétimo em 2019 e 17 em 2018).

– A gula de Poojakar –

Pogacar, 23, avidamente descobriu Il Lombardia. Ele soube das estradas no domingo, ousou se separar na terça-feira a 120 quilômetros da ponta dos Três Vales Varese, e jogar novamente no dia seguinte em Milão e Torino (4). “Gostei muito do curso fantástico”, declara o duplo vencedor do Tour de France (2020 e 2021) no jornal organizado Gazzetta dello Sport. “Espero corresponder às expectativas.”

A menos que o terceiro esloveno Matej Muhoric se destaque em nome da seleção do Bahrein, o candidato será procurado em primeiro lugar junto com o britânico Adam Yates, na segunda quarta-feira nas colinas de Turim, e a poderosa equipe Dekoninc o campeão mundial Julian Alfelipe, o belga Remko Evenbuel e o português João Almeida.

See also  “Ele tem plena consciência”: notícia tranquilizadora para Rui Patricio, acertada na cabeça

Se o curso lhe convier, o francês (segundo em 2017) parece menos impressionante do que na época da vitória do arco-íris em 26 de setembro. Enquanto isso, Evenepoel mostra um nível muito alto (31km de separação solitária para vencer a Copa Pernucci na última segunda-feira) quando é hora de encontrar a corrida de todos os seus infortúnios. Mas, desta vez, a pista ignora a descida sinuosa de Sormano, que caiu forte em 15 de agosto de 2020 em um acidente que quase cortou sua carreira e ameaçou sua vida.

– Exemplo de Dan Martin –

Dos vencedores anteriores da largada que será premiada nas margens do Lago de Como, duas equipes jogam a mesma camisa. O italiano Vincenzo Nibali, que acaba de vencer o Tour da Sicília, e o holandês Bock Mollema, conhecem por experiência os segredos e vicissitudes do evento.

Mollema observa que “os últimos 30 quilômetros depois de Paso de Ganda são em sua maioria planos e inclinados, mas antes disso a estrada era exigente”. “Ser um outsider em uma final de torneio clássico pode ser uma grande vantagem se você tiver pernas para fazer a diferença”, acrescenta o holandês, lembrando o touchdown geral que chegou perto de 4.400 m antes da finalização decidida no coração de Bergamo, abaixo a cidade alta.

Dan Martin, da Irlanda, que se despediu do pelotão internacional no sábado, aproveitou a chance em 2014, com final semelhante. Seu exemplo pode ter inspirado alguns corredores que foram vistos em boa forma durante a última campanha italiana. Entre outros, o francês David Godot, o canadense Michael Woods e o veterano espanhol Alejandro Valverde, 41, são os candidatos eternos (segundo três vezes).

See also  O ex-técnico do Chelsea revelou que o "confronto" de Mourinho causou a saída de Salah e De Bruyne

You May Also Like

About the Author: Lucinda Lima

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *