Tensões na Ucrânia | A Rússia entrega aos Estados Unidos uma lista de requisitos

(Moscou) A Rússia anunciou que apresentou aos Estados Unidos, na quarta-feira, uma lista de “propostas” sobre as garantias jurídicas que alega para garantir sua segurança, que afirma estarem ameaçadas, num contexto de tensões sobre a Ucrânia.


“O Ministério do Exterior russo entregou nossas propostas concretas às autoridades americanas hoje”, disse o assessor do Kremlin, Yuri Ushakov, a repórteres.

Segundo ele, essas propostas “destinadas a desenvolver garantias legais para a segurança da Rússia” foram apresentadas notavelmente à secretária de Estado adjunta para Assuntos Europeus dos EUA, Karen Dunfrid, que visitou Moscou esta semana depois de visitar Kiev.

O Sr. Ushakov acrescentou que falará pessoalmente por telefone sobre o assunto ainda hoje com um “funcionário do governo dos Estados Unidos”, sem dar mais detalhes.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse esperar, durante a entrevista em vídeo na quarta-feira com o líder chinês Xi Jinping, que “os americanos e a Otan reagirão positivamente a essas propostas”, disse Ushakov.

Em um vídeo postado na quarta-feira, peu Dunfriend disse que “levaria essas idéias a Washington e as compartilharia com (aliados) e parceiros” dos Estados Unidos.

Ela disse que durante essas discussões em Moscou expressou suas “preocupações sobre o aumento militar da Rússia perto da Ucrânia”, reafirmando o compromisso de Washington em defender “a soberania e integridade territorial da Ucrânia”.

Na terça-feira, Putin pediu negociações “imediatas” com a OTAN e os Estados Unidos sobre as garantias que havia exigido no início de dezembro de seu homólogo americano Joe Biden.

A Rússia se opõe particularmente a qualquer expansão futura da aliança para seus vizinhos, como a Ucrânia, e gostaria de ter garantias legais que excluíssem tal possibilidade.

See also  Haiti | O número de mortos na fuga aumentou para 25, 200 prisioneiros procurados

Por sua vez, Washington e a União Europeia acusam Moscou de reunir forças na fronteira com a Ucrânia e ameaçar impor sanções sem precedentes em caso de agressão.

A Ucrânia está dilacerada desde 2014 por uma guerra no leste entre Kiev e separatistas pró-russos, um conflito que começou após a anexação da Crimeia por Moscou e já custou mais de 13.000 vidas.

O Kremlin, embora negado, é acusado por muitas capitais ocidentais e pela mídia independente de ser o padrinho militar e financeiro dos separatistas.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published.