Sem vida em Marte? Veja por que são boas notícias | Ciência | Notícias o sol

Durante a busca, a sonda rover foi equipada com SHERLOC, uma ferramenta capaz de encontrar moléculas orgânicas. No entanto, devemos diferenciar entre uma “molécula orgânica” e uma “bio-assinatura orgânica” ou um “biomarcador”. Moléculas orgânicas podem ser um sinal de vida, mas cuidado: na verdade, poucas são. Nós os chamamos de biomarcadores.

Para entender isso, vamos pensar no petróleo. Na década de 1930, a origem biológica do petróleo foi discutida, até que o químico Alfred Tripps descobriu a presença de porfirinas nos combustíveis fósseis. É derivado da clorofila e não pode ser explicado por sua existência sem vida. Portanto, ao estudar biomarcadores, sabemos que o petróleo é o que resta de ecossistemas que evoluíram há milhões de anos.

Se SHERLOC encontrar moléculas orgânicas, deve ser avaliado se são biomarcadores válidos. O problema é que isso significa que o metabolismo da Terra é global. Por exemplo, se nunca tivesse havido fotossíntese com clorofila em Marte, nunca encontraríamos a porfirina de Treibs como biomarcador.

Os minerais também podem ser assinaturas biológicas:

Coletamos cristais de formato, um composto orgânico, em um lago salgado semelhante ao que poderia estar presente em Marte. A (improvável) descoberta desses cristais em Marte terá um grande impacto e a ideia da existência de vida se espalhará nas redes sociais.

Ao contrário das porfirinas, o formato pode ser não biótico (ou seja, não vivo). Não é um marcador biológico. Sabemos que a verdadeira assinatura biológica é um desequilíbrio químico com os outros componentes do lago. O estudo de biocompresas é difícil e exigirá o transporte de amostras para o solo.

E se não encontrarmos nenhuma evidência de vida?

Se a perseverança não encontrar nenhum sinal de vida, a tarefa pode ser vista pelo público como um fracasso. No entanto, a exploração de Marte é sempre bem-sucedida, tanto pelo conhecimento que nos traz quanto pelas tecnologias que produz. Ter um planeta em que as condições permitissem (pensamos) o surgimento da vida, mas inicialmente cessasse, seria um cenário único para compreender a origem da vida terrestre.

READ  Plantas que comem areia são o assunto de um artigo na revista "Science"

Não é uma ideia rebuscada. A nave Curiosity encontrou materiais que poderiam ser a chave para a origem da vida, formando um cenário intocado por milhões de anos e desprovido de mudanças causadas por uma possível biosfera em Marte.

É possível que nenhuma evidência de vida em Marte jamais seja encontrada, e a questão permanecerá sem resposta (nenhuma evidência é evidência de ausência). Mas se começarmos com a ideia de que a vida nunca se reproduziu em Marte, podemos nos concentrar nas condições que pensamos que existiram em sua origem. Se encontrarmos as congruências, por que a vida nunca evoluiu? Estava faltando um componente? A dinâmica de Marte não permitia isso? Outro tipo de vida se espalhou? Por meio do trabalho de laboratório e do que sabemos sobre nosso planeta, podemos entender como a vida começou e evoluiu.

Se alguma vez existisse vida avançada em Marte (e existam ecossistemas bacterianos), as questões sobre a origem da vida permaneceriam abertas. No entanto, o planeta sem vida Marte pode ser uma oportunidade para aprender mais sobre nossa origem.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *