Saúde e segurança no trabalho: uma reforma “subestimada pela ciência”, diz PLQ

A oposição oficial é categórica: o projeto de lei 59 do ministro do Trabalho, Jean Bouet, terá de ser drasticamente revisado para obter seu apoio.

Assim, o Partido Liberal (PLQ) exige um estudo científico rigoroso denominado Análise de gênero (ADS) Para provar que esta reforma não punirá as mulheres.

Segundo Moncef Darraji, porta-voz da ação liberal, essa reforma está correta Sexista e despreza a ciênciaVários sindicatos e grupos trabalhistas também expressaram seu pesar durante as consultas na semana passada.

A enorme legislação de 118 páginas visa modernizar a lei existente que remonta a 40 anos.

O consenso sobre o projeto de lei

Houve consenso ou quase unanimidade no projeto de lei [durant les consultations]Darraji observou em uma entrevista à imprensa canadense que foi ao ar no domingo. Por que o ministro escolheu apenas alguns pontos em comum?

Com esta reforma, muitos setores de emprego dominados por mulheres não estarão sujeitos aos atuais mecanismos de prevenção. Por exemplo, os hospitais podem ser considerados de baixo risco de acidentes, enquanto um grande número de lesões é relatado lá a cada ano.

Dizer que o nível de risco é baixo na área da saúde, é [le gouvernement] Ele não consultou os trabalhadores, denunciou o deputado liberal. O projeto leva em consideração os efeitos da epidemia?

Segundo o PLQ, cabe agora ao ministro e ao governo Caquista comprovar, por meio de estudos sérios e embasando evidências científicas, que a lei não punirá as trabalhadoras. uma Análise de gênero É permitido levar em consideração as diferenças de gênero ao planejar e fornecer cuidados e serviços.

Dados científicos ausentes

Como legislador, não quero começar a estudar o projeto de lei sem ter a imagem correta de seus efeitos sobre as mulheres no trabalho, como decidiu o Sr. Darraji. O ministro precisa confirmar que seu projeto de lei não afetará os casos de acidentes de trabalho femininos.

A lei atual prevê quatro mecanismos preventivos principais: o Comitê de Saúde e Segurança, o programa de saúde da unidade, o programa de prevenção e o representante de prevenção.

See also  Monstros da Ciência: Por que um baiacu desenha uma mandala?

Com a reforma, os empregadores seriam preferencialmente divididos de acordo com seu porte e entre os níveis de risco baixo, médio e alto, com mecanismos de proteção projetados para cada um.

No entanto, para determinar o nível de risco, nos basearemos nos dados de compensação do Comitê de Padrões, que tratam da segurança e proteção, e não em estudos científicos, que foram condenados por muitos palestrantes.

Onde estão os dados científicos? Por que não nos concentramos na ciência?

Moncef Darraji, o porta-voz liberal do emprego

Além disso, de acordo com a lei, os médicos especializados em departamentos de saúde pública (DSPs) não poderão intervir no local de trabalho, a menos que sejam contatados pelo empregador.

É normal, depois de tudo o que vivemos, voltarmos e separarmos a expertise dos médicos de saúde pública? O porta-voz dos liberais ficou indignado.

O Sr. Darraji se pergunta se não foram os funcionários ou o gabinete do primeiro-ministro que lideraram a preparação desta lei e não o ministro, Que ainda tem a reputação de fazer as coisas certas.

Todos concordam em atualizar a lei, mas ninguém diz que é assim que a atualização deve ser feitaEle completou.

O Projeto de Lei 59 visa reduzir os custos de indenização para vítimas de acidentes de trabalho.

O Centro Nacional de Ciências Econômicas e Sociais (CNESST) pagou benefícios que totalizaram US $ 2,22 bilhões em 2018. Em seguida, aceitou 103.406 acidentes de trabalho e registrou 226 mortes. 251 trabalhadores se acidentam todos os dias.

De acordo com dados do National Center for Social Sciences, as lesões mentais aumentaram 67% nos últimos 10 anos.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *