Relatório de especialistas diz que a insuficiência cardíaca precisa de melhor detecção e tratamento

A insuficiência cardíaca, que afeta 1,5 milhão de pessoas na França, precisa ser melhor identificada e tratada, especialmente por meio de detecção precoce e campanhas de informação, alegou um grande grupo de médicos e pacientes na terça-feira.

O cardiologista Thiboud Dami, chefe do programa Optim’IC, afirma que “a insuficiência cardíaca é uma doença crônica cuja prevalência e mortalidade são frequentemente desconhecidas, embora direta ou indiretamente diga respeito a mais de 3 milhões de franceses, sejam pacientes ou cuidadores.” a introdução de um relatório publicado na terça-feira.

Este documento refere-se a “diagnóstico frequentemente tardio de insuficiência cardíaca”, “atendimento hospitalar de recursos fundamentalmente grandes” ou mesmo “esclarecimento do atendimento entre o hospital e a medicina urbana a ser melhorado”.

O programa Optim’IC foi criado para tentar melhorar estes pontos, e reúne as associações científicas e de pacientes envolvidas na insuficiência cardíaca (Federação de Hospitais da França, Colégio Nacional de Cardiologistas Franceses, Alliance du coeur …).

Seu relatório apresenta uma série de propostas, formuladas por um painel nacional de especialistas e comitês regionais.

Em particular, recomenda “regulamentar a detecção precoce de insuficiência cardíaca e co-morbidades” e “encorajar medidas preventivas”.

Entre essas medidas preventivas, “acesso aos dados do CPAM para melhor identificar e monitorar os pacientes de maior risco, criar um manual individual sobre insuficiência cardíaca e realizar campanhas de conscientização nacionais e locais”.

A insuficiência cardíaca corresponde a um defeito na bomba cardíaca que já não permite um fornecimento adequado de oxigênio e nutrientes, a Agência de Saúde Pública francesa confirma em seu site. Afeta especialmente pessoas com mais de 70 anos de idade.

De acordo com Optim’IC, “A cada ano, a insuficiência cardíaca causa aproximadamente 70.000 mortes e 165.000 hospitalizações, seguidas por vários re-hospitais que afetam a qualidade de vida dos pacientes e levam a custos de saúde significativos.”

See also  Apesar da demonstração de solidariedade, Elodie varreu o câncer de mama

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *