Relações EUA-Rússia | Biden promete ser “muito claro” com Putin

(Newquay) Joe Biden prometeu no domingo que seria “muito claro” com Vladimir Putin sobre suas diferenças quando se encontraram pela primeira vez, reconhecendo que as relações EUA-Rússia estão atualmente “em um ponto mais baixo”.


No final desta cúpula a ser realizada em Genebra, o presidente dos EUA falará sozinho em uma entrevista coletiva em vez de dividir o pódio com seu homólogo russo, como fez Donald Trump em 2018.

“Não se trata de uma competição para ver quem é o melhor em uma entrevista coletiva para tentar embaraçar o outro, trata-se de indicar muito claramente as condições que devem ser cumpridas. Para ter um relacionamento melhor com a Rússia”, disse Biden a repórteres em Newquay ( Inglaterra) após a cimeira do G7.

“Não há dúvida de que serei muito franco sobre os assuntos que nos preocupam e serei claro sobre o que penso sobre o andamento da sessão”, acrescentou.

O Executivo dos Estados Unidos especificou que a reunião incluirá uma sessão de trabalho e uma sessão menor, sem maiores esclarecimentos sobre esta última.

Por sua vez, o Kremlin disse no sábado que Putin também falará no final das discussões. Seu porta-voz, Dmitry Peskov, confirmou que o presidente dos Estados Unidos parece preferir esse formato, observando que não participou de uma entrevista coletiva conjunta durante a cúpula do G7.

Ucrânia, Bielo-Rússia, Destino do oponente russo Alexei Navalny, ataques cibernéticos: as discussões prometem ser amargas e difíceis. A Casa Branca vem martelando há várias semanas que seu objetivo é tornar as relações entre os dois países mais “estáveis ​​e previsíveis”.

A coletiva de imprensa conjunta que se seguiu ao encontro entre Donald Trump e Vladimir Putin em Helsinque em julho de 2018 ainda está na mente de todos em Washington.

PHOTO DOUG MILLS, arquivado pelo New York Times

Donald Trump e Vladimir Putin durante reunião em Helsinque, julho de 2018

Em um exercício bizarro que causou alvoroço até mesmo dentro de seu próprio campo, o presidente republicano parecia dar mais importância às palavras do ex-homem forte da inteligência soviética do que às conclusões unânimes das agências de inteligência dos EUA sobre a interferência russa na campanha presidencial de 2016.

READ  Emmanuel Macron quer "definir linhas vermelhas claras com a Rússia"

Em entrevista ao canal norte-americano NBC News, na sexta-feira, o presidente russo estimou que as relações com os Estados Unidos “se deterioraram muito nos últimos anos”, mas disse que espera poder trabalhar com Joe Biden.

Em resposta a uma pergunta sobre o título de “assassino” que Joe Biden escolheu para qualificá-lo à luz de uma série de assassinatos, incluindo o do oponente russo Boris Nemtsov, o mestre do Kremlin riu: “Durante minha gestão, costumava atacar de todos ângulos e de todos os lados sob todos os tipos de pretextos. E as razões e de diferentes quadros e violências, e nada disso me surpreende. ”

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *