Ral Castro vai embora, mas Cuba mantém o caminho do partido único

(Havana) Cuba virou a página dos irmãos Castro na segunda-feira com a aposentadoria de Raul, 89, um símbolo poderoso, mas de forma alguma alterando a preeminência do Partido Comunista como partido único.




Letizia Pineda
France Media

“O mais revolucionário em uma revolução é sempre a defesa do partido, da mesma forma que o partido deve ser o maior defensor da revolução”, declarou o presidente Miguel Díaz-Canel, eleito pela primeira vez. Secretário do partido por deputados para a formação política.

“19 de abril, um dia histórico”, foi mencionado anteriormente, na mesma rede social, o presidente de 60 anos. Segunda-feira cai 60e A memória do ataque à Baía dos Porcos, liderado pelos Estados Unidos e frustrado por Cuba, é um orgulho nacional na ilha.

A transferência ocorre em um momento crítico para a ilha, que mergulhou em sua pior crise econômica em 30 anos sob o impacto da pandemia do Coronavirus e do endurecimento do embargo imposto pelos Estados Unidos desde 1962.

Para a grande maioria dos 11,2 milhões de cubanos, nem um único Castro Fidel, então seu irmão Raúl, estava no comando.

“Desde que nasci, só conheci um membro”, diz Miguel Ginza, um artesão de 58 anos que percorreu as ruas do bairro histórico de Havana. “Ninguém morre de fome, isso mesmo.”

Mas hoje, “estamos um pouco presos, e é uma pena que Fidel tenha morrido, porque ele resolveu todos os problemas.”

‘Santa democracia’

Enquanto 300 delegados do partido (oficialmente 700.000 membros) se reuniam em Havana, em um bairro isolado pela polícia, os cubanos estavam pensando em outro lugar: a maioria deles estava cansada da escassez e das filas intermináveis. Espere, nessa ilha eles são obrigados a importar 80% do que você consome.

See also  Investimentos | Joe Biden quer criar um "século americano"

Os jovens, muitos dos quais se exilam todos os anos por falta de oportunidades, expressam cada vez mais a sua frustração nas redes sociais, impulsionados pela chegada da Internet móvel no final de 2018.

Mas para o governo, após quatro anos de sanções impostas pelo governo Trump, a guerra ideológica continua sendo a mais importante.

A presença de um partido em Cuba sempre foi e sempre será o alvo das campanhas do inimigo (Estados Unidos, nota do Editor), determinado a fragmentar os cubanos e dividi-los com cantos de sereia sagrados. Declarou Raúl Castro, apelando às novas gerações para “protegerem o entusiasmo” da ideologia do partido.

Em uma pizzaria onde trabalha com o rap de fundo, Luis Enrique Oramas, 30, sonha que um dia as autoridades vão “deixar as pessoas pensarem o que quiserem”.

“A maioria das pessoas quer isso, e não é o que temos agora, uma festa onde todos pensam a mesma coisa.”

Desligamento da Internet

E uma festa para a velhice também. Certamente a geração histórica – aquela que fez a revolução de 1959 – saiu do Politburo, derrubando o poder em Cuba.

Mas a nova composição partidária mostra uma média de idade de 61,6 anos e apenas três mulheres em 14. No partido, 42,6% dos lutadores têm mais de 55 anos.

“Diante da inércia do governo Biden, que deixou a política de Trump como está, e o desafio de uma Cuba mais conectada e internacionalizada, as elites cubanas estão se aproximando ao rejeitar qualquer debate interno”, lamenta Arturo Lopez Levy, acadêmico cubano de Holly Names University na Califórnia.

Durante a conferência, dezenas de ativistas, jornalistas independentes e artistas denunciaram via Twitter a prevenção da saída de policiais de suas casas, técnica utilizada pelas autoridades para impedir todas as manifestações. Outros disseram que tiveram seu telefone e internet cortados.

See also  Medição do Observatório do Havaí | Um novo recorde para a concentração de dióxido de carbono no ar

“O que os participantes da conferência temem?” Twitter: Erika Guevara-Rosas, Diretora da Anistia Internacional para as Américas.

“Vamos destruir a festa de protesto. Enquanto eles batem nos ombros uns dos outros para preservar seu regime autoritário, eles perseguem e prendem ativistas e jornalistas em suas casas.”

Nos últimos meses, a Internet tem sido um motor de descontentamento social sem precedentes neste país onde as manifestações são extremamente raras: graças a ela, artistas, opositores e ativistas dos direitos dos animais se reuniram nas ruas.

Em resposta, o partido aprovou a decisão de promover “atividades revolucionárias nas redes sociais” e combater a “sabotagem”.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *