Quase três metros de centopéia foram descobertos na Inglaterra

A Universidade de Cambridge acaba de descobrir uma centopéia gigante. Ele teria vivido lá 326 milhões de anos atrás.

E se a Inglaterra já foi a terra dos animais de um filme de ficção científica? Na verdade, por várias semanas, as equipes de escavação na ilha britânica têm feito uma série de grandes descobertas. Enquanto o país já Rica em história humana que abrange milhares de anosAgora, os pesquisadores estão começando a encontrar vestígios de uma vida que nem sequer suspeitávamos.

Na verdade, alguns milhões de anos atrás, a Terra não era nada parecida com o que é hoje. Com tipos muito diferentes, um mundo em que tudo era muito maior. Muito antes dos dinossauros, quase 100 milhões de anos antes de sua chegada, o mundo já estava cheio de criaturas estranhas, de dimensões XXL.

Fóssil mais velho que dinossauros

Entre eles está uma centopéia de cerca de três metros de comprimento, que acaba de ser descoberta cavada em uma rocha de arenito perto de um penhasco na praia de Howick Bay em Northumberland, na fronteira com a Escócia. Este fóssil foi descoberto em janeiro de 2018 e acredita-se que tenha mais de 326 milhões de anos.

Para os pesquisadores, essa é uma descoberta importante para entender melhor a vida na Terra, Antes dos dinossauros. Na verdade, este é o terceiro espécime a ser descoberto no mundo e também o maior e mais antigo que ainda não foi encontrado.

Com o fóssil medindo 75 centímetros de comprimento, os cientistas concluíram que o animal deve ter medido cerca de 2 metros 70, senão mais, para um peso de “apenas” 50 a 60 quilos. Graças a essa descoberta, cientistas da Universidade de Cambridge, onde o fóssil foi estudado, agora podem dizer que se trata de uma centopéia ancestral que vivia em florestas à beira-mar, em um clima tropical, como a Inglaterra há 326 milhões de anos.

See also  Cientistas treinaram porcos para jogar videogame

Uma terra completamente diferente da nossa

Com a deriva continental, a ilha britânica deslocou-se em todo o hemisfério norte do planeta, mas este último ficava no seio da Terra, ao nível do equador, proporcionando um clima quente e úmido aos seus habitantes. Segundo os cientistas, o pico de oxigênio na atmosfera, ocorrido no final do período Carbonífero (300 milhões de anos atrás), é responsável por um volume tão grande.

Os pesquisadores também acreditam que essa centopéia gigante se beneficiou de uma dieta muito rica em proteínas, o que lhe permitiu ganhar mais altura ao longo de sua vida.

Hoje as centopéias que conhecemos ainda vivem na Inglaterra, mas nunca passam de 20 cm, para os exemplares maiores. Na escala, eles exibem apenas 2 ou 3 gramas, longe dos 50 quilos de seu ancestral distante.

Texto de estudo pode ser encontrado aqui

You May Also Like

About the Author: Octávio Florencio

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *