Putin fala sobre “o primeiro passo para o genocídio” no leste da Ucrânia

Moscou | Vladimir Putin argumentou na quinta-feira que a população de língua russa do leste da Ucrânia devastado pela guerra, uma região atualmente no centro de novas tensões entre Moscou e o Ocidente, está sofrendo de “russofobia”, um “primeiro passo em direção ao genocídio”.

• Leia também: Sanções ‘como nunca antes’: Biden duplica as ameaças contra Putin

• Leia também: Schulz sucede Merkel e promete à Alemanha um ‘novo começo’

“Devo falar da russofobia como primeiro passo para o genocídio. É o que está acontecendo no momento em Donbass (o nome da região, nota do editor), podemos ver muito bem, sabemos disso”, enfatizou o presidente russo durante reunião com o Conselho Presidencial de Direitos Humanos.

“Isso, é claro, é semelhante ao genocídio de que falei”, continuou ele, em resposta ao jornalista russo-ucraniano Kirill Vyshinsky, que foi convidado a introduzir os conceitos de “genocídio” e “incitamento ao genocídio” na lei russa .

Preso na Ucrânia em 2018 e 2019, este jornalista afirmou que “os que falam russo e os russos” no Donbass viviam em “condições de vida intoleráveis”. Ele também comparou a situação lá com os crimes do Holocausto.

Os comentários vêm em um momento em que o leste da Ucrânia está mais uma vez no centro de grandes tensões internacionais, com o Ocidente acusando Moscou de mobilizar dezenas de milhares de soldados com o objetivo de um possível ataque àquele país.

Sete anos atrás, esta região foi dilacerada pela guerra entre Kiev e separatistas pró-russos. Este conflito deixou mais de 13.000 pessoas mortas e seu acordo político, consagrado nos Acordos de Minsk de 2015, está em um impasse.

A Rússia considera o principal suporte militar e financeiro para esses rebeldes, apesar de suas negativas.

See also  Mysterious death in the Bahamas: autopsy of two American tourists

As autoridades russas e a mídia estatal russa regularmente acusam Kiev de fomentar o conflito ao buscar uma política discriminatória contra a população de língua russa, o que o governo ucraniano nega veementemente.

Em 2015, Vladimir Putin já afirmava que a recusa das autoridades ucranianas em entregar gás às regiões separatistas do leste fazia pensar em “genocídio”.

Quatro anos depois, ele disse que a tomada dessas terras por Kiev poderia levar a uma situação semelhante ao genocídio de Srebrenica, em 1995, na Bósnia.

Veja também…

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published.