Protesto japonês contra ataques chineses a navios perto das ilhas disputadas

Tóquio | Tóquio disse na segunda-feira que protestou junto a Pequim sobre duas incursões nas águas territoriais japonesas, depois que a China promulgou uma legislação que fortaleceu o que descreveu como sua resposta às violações de seus territórios marinhos.

Japão e China estão competindo pela propriedade de ilhas desabitadas no Mar da China Oriental, que eles chamam de Tokyo Senkaku e Beijing Diaoyu. Tóquio administra essas ilhas rochosas, que regularmente protestam contra o que descreve como uma violação de seu território por navios chineses.

A reclamação mais recente surge em meio a tensões crescentes depois que a China aprovou uma legislação que permite à Guarda Costeira usar a força contra navios estrangeiros que Pequim considera terem entrado em suas águas ilegalmente.

O porta-voz do governo japonês, Katsunobu Kato, disse que Tóquio protestou contra a entrada de dois navios da Guarda Costeira chinesa nas águas das ilhas Senkaku no sábado e no domingo.

“Protestamos veementemente, por meio dos canais diplomáticos, tanto em Tóquio quanto em Pequim, para interromper com urgência suas manobras imediatamente na tentativa de se aproximar dos navios pesqueiros japoneses e deixar rapidamente as águas territoriais”, disse Kato.

Ele acrescentou que os navios da guarda costeira japonesa “têm pedido repetidamente para sair, garantindo a segurança dos navios de pesca”. “O Japão não será capaz de suportar” tais movimentos, acrescentou Kato.

Navios da Guarda Costeira chinesa têm sido despachados regularmente para as ilhas em disputa, especialmente sob a liderança do presidente Xi Jinping, que quer fazer da China uma grande potência marítima.

Além dessas ilhas disputadas com o Japão, Pequim reivindica quase todo o Mar da China Meridional, para grande desgosto de Brunei, Malásia, Filipinas, Taiwan e Vietnã com reivindicações concorrentes.

READ  Cinquenta e três homens desaparecidos | Pesquisas extensas para encontrar um submarino indonésio

A China ignorou a decisão de 2016 do Tribunal Permanente de Arbitragem de Haia de que suas alegações eram infundadas.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *