Prometeico ciente condenado antecipadamente?

Em 11 de janeiro, Barbara Pompeu confirmou que um crime ambiental aparecerá na Lei do Clima. Consequentemente, “ Os atos mais graves podem ser punidos, no caso de contaminação intencional com consequências permanentes ou irreversíveis, penas de até 10 anos dPrisão e 4,5 milhõesEuro D.Bem ».

No entanto, algumas associações ambientalistas acusaram o governo de recuar, por acreditar, com razão, que o projecto de lei se tinha esvaziado da sua essência, até porque não manteve a redacção inicial do acordo de cidadãos, que visa “ Qualquer ação que cause graves danos ambientais ao participar de uma transgressão clara e significativa das fronteiras planetárias, com conhecimento das consequências que daí advirão e que não podem ser ignoradas. ».

Portanto, seria ingênuo pensar que os promotores dessa lei parariam por aí.

Nova lei desnecessária

A primeira questão que o texto levanta em sua versão preliminar é saber os princípios em que se basearão os juízes. Uma vez que os tribunais não podem emitir uma ordem de dedo afirmando que tal ou que a ação humana põe em perigo o meio ambiente de forma permanente e irreversível, e não acusa arbitrariamente uma parte presumida culpada de dano potencial futuro, é realmente necessário concordar sobre este assunto que deve ser levado em consideração. Como um crime contra o meio ambiente.

No entanto, se não precisarmos de nenhuma nova lei específica para expressar verbalmente externalidades negativas, como, digamos, um indivíduo que pode lançar sua máscara em uma via pública ou punir uma empresa que derrama produtos químicos perigosos em um rio, então o crime é extermínio. Ambientalistas, como os ecologistas desejam estabelecer. Você não traiu, antes de tudo, uma intenção ideológica de proteger a natureza, diante do perigo de manchar a reputação do progresso tecnológico e, de modo mais geral, de todo o comportamento transformador do homem sobre a natureza?

Ciência sacrificada no altar do meio ambiente?

Já se passaram alguns anos para o meio ambiente[1], Que se define como uma ideologia política, permitindo-se condenar e condenar qualquer forma de progresso científico. Ao fazer isso, ele tirou a bandeira prometeica de sua base, em sPegando sistematicamente totens como OGMs, energia nuclear, antenas de retransmissão, 5G ou até mesmo glifosato [2]Os mais famosos “espantalhos”, para citar alguns. Após um ato de minar campanhas em apoio à excitação e ao uso absoluto do princípio da precaução, o ambiente conseguiu convencer os descrentes a modificar genomas, incorporar átomos, espalhar ondas ou mesmo usar certas moléculas “químicas”, processos que não são naturais e prejudiciais ao meio ambiente.

Portanto, temos todos os motivos para acreditar que, uma vez que o crime ambiental – em sua primeira versão – entre em vigor, os demandantes – ou mesmo os escritórios de advocacia – não hesitarão em confiar nesta mesma ideologia. Intencionalmente ofuscando soluções tecnológicas, que são desfiguradas pelo meio ambiente com todos os males da terra.

Vejamos o caso dos OGM: podemos, sem dúvida, ver o início deste assunto sendo tratado de forma injusta, inclusive pelos órgãos emanados do Estado. mesmo em uma Um comunicado de imprensa publicado em 5 de janeiro, a DGCCRF afirmou que “ paraA. Relações PúblicasTendo drOGM não é o autorés em sementes podem ter consequências irreversíveis paraO meio ambiente é um perigo para a saúde Lendo este aviso, não podemos deixar de estremecer, pensando que os OGM são um risco mortal para a nossa saúde. [3]. Enquanto, ao mesmo tempo, nossas autoridades se felicitaram unanimemente pelo Prêmio Nobel de Emmanuel Charpentier, da França, por seu trabalho sobre Crispr-Cas9, uma descoberta científica fundamental no setor de biotecnologia, que deve permitir o desenvolvimento de … novos geneticamente plantas modificadas! E também avaliamos a estupidez de tal afirmação, quando constatamos o apoio maciço da população francesa às vacinas de RNA, resultante das mesmas técnicas de engenharia molecular.

Um conceito ambíguo, um fator de declínio da industrialização

Porém, em um cenário de genocídio ambiental desejado por esses ativistas, quem usar soluções tecnológicas que alterem o meio ambiente já estaria sujeito a comparências e condenações de juízes que se pronunciarão com base em posições ideológicas. O genocídio ambiental é, na verdade, uma ferramenta tão vaga quanto o princípio da precaução e sujeita a discussões intermináveis. Os tribunais serão então palco de conflitos permanentes entre aqueles que lutam pelo ambiente político e aqueles que defendem a ciência como agente de progresso para homem e seu ambiente.

Uma vez identificado, um crime ambiental paralisará o desenvolvimento de todas as tecnologias, levando ao aumento da industrialização na França e à paralisação científica, como evidenciado pelas sucessivas falhas de vacinas da Sanofi e do Instituto Pasteur.

Além disso, o partido mais sábio de Emmanuel Macron prefere não desistir.o Para a ecologia política, puxando um texto – até emendado – De fato Não há razão para existir, exceto para reforçar a ideologia antiprogressista dos adversários do presidente …

________


[1] Jean Paul Urey, Greta matou Einstein, Edições VA, 2020

[2] Jill Riviere-Wixen Glifosato: O Debate ImpossívelEditora 2020

[3] Estranhamente, “poluição” ou “poluição” aparece sete vezes neste pequeno texto, o que é um uso enganoso da linguagem com a intenção de sugerir envenenamento por uma substância prejudicial.

READ  Carro: o cheiro de um carro novo pode ser prejudicial à saúde

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *