Portugal vence, mas ainda frustrado

Os portugueses perdoam muito a Fernando Santos. Aos 66 anos, este engenheiro de formação continua a ser o “pai da vitória” com um crédito quase inesgotável desde o sucesso no Euro 2016. O país esperou tanto que aquele título durasse para o seu treinador, para o culpar por isto. Eliminação em seu rosto no Uruguai nas eliminatórias da Copa do Mundo de 2018, um jogo lento às vezes e sua incapacidade de explorar seu potencial sem precedentes ou opções táticas.

Mas devemos acreditar que uma estrela da sorte acompanha este zeloso católico sempre à frente do desafio da Alemanha, sábado, 19 de junho, em Munique, e talvez – uma garantia de qualificação para as fases eliminatórias. Contra a Hungria (3-0), Santos surpreendeu o mundo ao colocar Rafa Silva em campo para sua primeira e última mudança (70).NS)

Leia também: Portugal marca tarde para vencer a Hungria

Enviar um atacante conhecido por sua velocidade para frente contra um oponente defensivo é um pouco como ir caçar com seu gato, Para usar a fórmula De seu colega e famoso compatriota José Mourinho. Mas a luz veio mesmo do jogador do Benfica, que alinhou nos três golos da sua equipa no final do encontro.

“Jogar bem não é a mesma coisa que ser bonita”

Mova-se, não há nada para ver ou discutir. “Na minha opinião, estávamos jogando bem, tivemos situações para marcar”Santos sussurrou após encontrar o olhar do meu eterno andróide cansado. Sim, Portugal teve algumas oportunidades, mas o conteúdo geral não dá credibilidade à primeira parte da frase do seu treinador.

Num país conhecido por formar e dirigir a Europa – através da universidade – de treinadores que apostam em conceitos e teorias inovadoras, o Santos (cujo contrato vai até ao Euro 2024) é um pouco antiquado. Um jogo que não se preocupa com a filosofia de jogabilidade assertiva e se adapta primeiro aos jogadores disponíveis. “Jogar bem não é o mesmo que jogar um bom jogo”, repete-se com frequência.

See also  'It was a really long journey': COVID firefighters recover over long distances
Leia também Euro 2021: Portugal, tudo sobre a equipa

Pode haver frustração. Se Portugal toca o céu em 2016 com as suas forças actuais (disciplina táctica, defesa férrea, Ronaldo e Nani duelam para criar perigo), tem os recursos humanos para desenvolver um jogo mais atractivo com Bernardo Silva, Diogo Jota e Bruno Fernandes. Isso sem falar de João Félix, cujo gênio está esperando para acordar depois de meses vestindo um agasalho no banco do Atlético de Madrid.

Mas, no futebol, a perspectiva às vezes acaba sendo um amigo falso. “Em relação a 2016, vejo uma equipa jovem com enorme potencial, mas só a competição nos dirá se estamos melhores ou piores. »Cristiano Ronaldo alertou em entrevista coletiva.

Você tem 45,54% deste artigo para ler. O resto é apenas para assinantes.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *