Portugal carregava nervos de aço e um atacante de ouro

Portugal passou por todas as emoções durante a fase de grupos do Euro, mas o campeão europeu chegou aos oitavos-de-final graças à sua experiência e “artilheiro” Cristiano Ronaldo, e pode sempre manter o título.

Uma vitória sobre a Hungria (3-0), uma derrota para a Alemanha (4-2) e um empate (2-2) contra a campeã mundial francesa com um total de quatro pontos sinônimo de classificação entre os terços melhores, como em 2016 , antes de um choque contra a Bélgica, um dos candidatos ao título, domingo em Sevilha.

Enfrentando os Blues na quarta-feira no calor da Puskas Arena, em Budapeste, os campeões europeus responderam bem após o tapa alemão, exibindo uma atitude subjugante, longe da indiferença observada contra o Mannschaft há quatro dias.

“Hoje estivemos muito fortes e consistentes. Os jogadores ajudaram-se mutuamente, controlámos a bola, conseguimos escalar bem as nossas ações (…) Melhorámos em relação ao jogo contra a Alemanha”, elogiou o treinador Fernando Santos. a reunião.

O jogador de 66 anos respondeu às críticas voltando ao estilo 4-3-3 nos últimos dois anos e modificando um pouco a equipe titular.

A dinâmica de Renato Sanchez

William Carvalho e Bruno Fernandez, dois executivos decepcionantes desde o início do torneio, deram lugar ao jovem Renato Sanchez e ao veterano João Moutinho, que se deram bem contra o campeão mundial francês.

Graças ao dinamismo do médio do Lille e ao conhecimento do jogo do Wolverhampton, Portugal encontrou a “matriz” e igualou-se, como afirmou o Santos na véspera do jogo.

Bem organizado, unido, corroído em duelos, perigoso durante o ataque, mentalmente forte e confiante na sua força: o “Celecao” contra a França mostrou os ingredientes para a sua coroação no Euro 2016 e na Liga das Nações 2019.

Isto é um bom augúrio para o desafio da ‘geração de ouro’ belga, que começou depois da fase de grupos perfeita (três vitórias) e a associação de Kevin De Bruyne-Romelo Lukaku é muito eficaz.

READ  Belgas no exterior: Artilheiros Batshuayi e Dendonker com Pallas Wolverhampton (vídeo)

Outro ponto positivo, é a figura cintilante de seu superastro Cristiano Ronaldo, que aos 36 anos marcou vários gols e marcou desde o início do torneio.

Memórias de Ronaldo

Ao converter dois pênaltis contra a França, adversário contra o qual nunca havia marcado em seis partidas, o Ballon d’Or marcou cinco vezes cinco gols neste Euro, depois de um duplo contra a Hungria e uma conquista na derrota na Alemanha.

CR7 não marcou muitos gols no campeonato continental, pois ficou satisfeito por ter marcado duas vezes em 2004, uma em 2008 e três em 2012 e 2016.

O atacante da Juventus Torino apagou do primeiro jogo contra o húngaro o antigo recorde do francês Michel Platini, ao marcar o décimo e o décimo primeiro gols na competição, superando os nove gols do meia tricolor apenas na edição de 1984, para se tornar o melhor artilheiro do torneio. A história do euro.

O craque português já aumentou este total para 14 e pode melhorá-lo ainda mais, sendo também o primeiro jogador a marcar um golo com cinco euros diferentes.

Contra a França, o capitão português igualou o recorde mundial na seleção do iraniano Ali Daei desde 2006 com 109 conquistas.

O madeirense frente à Bélgica terá a oportunidade de se instalar sozinho no trono do Rei dos Golos da selecção nacional, uma motivação acrescida para quem já declarou no passado que para ele “os recordes vêm naturalmente”.

Depois da Alemanha e da França, outro choque aguarda a estrela portuguesa e os seus companheiros, mas como Fernando Santos sublinhou: “Esta equipa sabe o que fazer para vencer”.

You May Also Like

About the Author: Lucinda Lima

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *