Por que os pandas gigantes gostam de se limpar com esterco de cavalo?

Em 2007, os cientistas chineses fizeram uma observação surpreendente. Um panda gigante sobe em uma pilha de esterco fresco de cavalo e ronca. Ele parece contente, rolando nele e aplicando meticulosamente a depressão do cavalo em todas as partes de seu corpo. Então, esse comportamento estranho foi observado quarenta vezes em muitos desses animais que vivem na selva.

Doze anos depois, a equipe acredita ter descoberto a causa deste banheiro fedorento e publicou recentemente suas descobertas no jornal Proceedings of the National Academy of Sciences. Esse comportamento evita que o panda gigante sinta frio.

Os pesquisadores primeiro notaram a preferência dos pandas por esterco fresco. Este contém então moléculas denominadas beta-cariofilina (BCP) e óxido de beta-cariofilina (BCPO) que desaparecem com o envelhecimento do estrume. Para ver se eram esses compostos que os atraíam, os cientistas espalharam alguns no feno depositado no habitat dos pandas do zoológico. Eles preferiram este feno ao não tratado.

Além disso, a inclusão geralmente ocorre quando a temperatura cai abaixo de 15 ° C. Em seguida, os cientistas testaram o efeito do BCP e BCPO em ratos. Como resultado, os roedores cujas pernas foram esfregadas com essas substâncias eram menos sensíveis ao frio do que aqueles que receberam um placebo. Estudos subsequentes mostraram que esses compostos químicos inibem uma proteína chamada TRPM8, que é um receptor ativado pelo frio encontrado em células de mamíferos, incluindo as de camundongos e pandas gigantes.

Esta hipótese é interessante, de acordo com o Dr.s Don Reed, zoólogo de conservação da vida selvagem da Wildlife Conservation Society of Canada, não acredita que os dados apresentados no artigo possam confirmar isso. “O elo mais fraco para mim é que não determinamos como essas moléculas químicas entram no corpo do panda para causar esse efeito. Rolar nele é o suficiente? É possível, mas não comprovado.”

READ  O "papilio cresphontes" ou penteado grande é uma novidade em nossas regiões

Essa abordagem ainda é ótima. De acordo com Marion Desmarchelier, professora do Departamento de Ciências Clínicas da Escola de Medicina Veterinária da Universidade de Montreal, esse “trabalho molecular” para explicar o comportamento animal é uma área do futuro. “É fácil esquecer que os animais vivem no reino olfativo”, diz ela. Quando cheiram, recebem informações relevantes para eles, como o que percebemos com nossos olhos. Novas tecnologias desenvolvidas para descobrir esses compostos químicos abrem um novo mundo para os biólogos.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *