Planeta Econômico | Crise econômica: Líbano à beira da falência

A explosão do porto de Beirute em agosto de 2020 gerou uma onda de simpatia pelo Líbano, um país que sofreu tanto no passado. Mas o interesse da comunidade internacional desapareceu rapidamente ao longo dos meses, como costuma acontecer.


Helen BarrellHelen Barrell
Jornalismo

Longe de desaparecer, os problemas que assolam a economia libanesa continuam a piorar. E não se trata apenas de reconstruir uma cidade devastada, segundo o Banco Mundial, que está preocupado com a iminente falência do país.

Em análise que acaba de ser publicada, os economistas da entidade afirmam que a atual crise econômica do Líbano é uma das piores do país, mas também uma das mais graves da história mundial moderna. O país de 7 milhões de habitantes, que faz fronteira com Israel e a Síria, passou pela devastação da guerra. Mas a crise atual é pior em tempos de paz.

Desta vez, segundo o Banco Mundial, o estrago foi causado pelas elites políticas e econômicas, que estão levando o país diretamente ao desastre.

A libra libanesa perdeu 90% de seu valor, a inflação atingiu um pico de mais de 80% e um número crescente de libaneses está lutando para se alimentar em um país que, no entanto, exporta alimentos. Mesmo antes da pandemia que atingiu o setor de turismo e causou muitas perdas de empregos, o país sofria com o alto índice de desemprego.

A política está no cerne do problema

Os problemas são múltiplos. Por exemplo, o Líbano subsidia a importação de bens considerados essenciais, como gasolina e remédios, o que tende a sustentar uma população mais rica. Essa política, que custa US $ 287 milhões (347 milhões de tesouros) segundo estimativas do Banco Mundial, esgota as reservas cambiais do banco central.

No ano passado, o país parou de pagar juros sobre seus empréstimos em moeda estrangeira, cortando-o de fontes de financiamento internacionais. A situação se agravou a ponto de o país não ter mais condições de pagar em moeda estrangeira para abastecer suas usinas e manter sua rede de água potável. As tensões sociais estão aumentando e ameaçam mergulhar o país no caos.

São conhecidas as soluções que vão colocar a economia de volta em um caminho melhor. Essas promessas há muito são feitas à população, notadamente pelo presidente Michel Aoun, 88, no cargo desde 2016. O Banco Central do Líbano, no centro do caos monetário, tem o mesmo governador, Riad Salameh, 28.

Se nada muda, é porque o sistema atual ainda beneficia alguns. Não por muito tempo, alerta o Banco Mundial.

O país não tem leme desde que o primeiro-ministro renunciou poucos dias após a explosão no porto de Beirute. Seu substituto temporário não conseguiu formar um governo e de alguma forma assumiu os negócios do dia-a-dia.

Foi anunciado que as eleições seriam realizadas em 2022, mas, entretanto, todas as discussões sobre uma possível ajuda internacional, incluindo a do Fundo Monetário Internacional, foram suspensas.

O naufrágio do Líbano está ocorrendo com indiferença pública, mas os aliados tradicionais do país continuam preocupados. A França e seu presidente, Emmanuel Macron, estão tentando ajudar o país a formar um governo pronto para iniciar as reformas necessárias, sem muito sucesso até agora.

Em um sinal de que a situação pode ser desesperadora, o Vaticano também decidiu começar. 1ele é O Vaticano News informou que o Papa Francisco receberá em julho os líderes das comunidades cristãs no Líbano “para discutir a profunda crise que atravessa o país”. Não dói, mas vai ser preciso mais do que oração pela salvação do Líbano.

See also  Meltdown em Flórida | O local de construção da torre ainda é perigoso

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *