Os engenheiros projetam um robô voador que pode pousar e agarrar objetos

(Washington) Uma equipe de engenheiros da prestigiosa American University em Stanford criou uma embreagem robótica que pode ser acoplada a drones, transformando estes últimos em pássaros robóticos capazes de agarrar objetos ou sentar em diferentes superfícies.


Issam AHMED
Agência de mídia da França

Esses novos recursos podem permitir que robôs voadores conservem suas baterias em vez de ficarem parados – por exemplo, durante as buscas por sobreviventes – ou ajudar os biólogos a coletar amostras na floresta com mais facilidade.

“Queremos pousar em qualquer lugar, por isso é empolgante do ponto de vista da engenharia e da robótica”, disse David Lintink, autor de um artigo sobre essa inovação publicado na quarta-feira na revista. ciência robótica.

Como costuma acontecer na robótica, este projeto foi inspirado no comportamento animal – no caso, a maneira como os pássaros pousam e se agarram aos galhos – para superar dificuldades técnicas.

Mas imitar essas aves, cujos milhões de anos de evolução permitiram que se agarrassem a galhos de vários tamanhos ou formas, às vezes cobertos de líquen ou escorregadios pela chuva, não é uma tarefa fácil.

Para tanto, a equipe de Stanford usou câmeras de alta velocidade para estudar como os papagaios bebês pousam em poleiros de tamanhos e materiais variados: madeira, espuma, lixa e teflon.

Os postes também foram equipados com sensores que registravam a força com que os pássaros desceram e decolaram novamente.

Os cientistas descobriram que, embora o movimento de aterrissagem fosse o mesmo em cada posição, os papagaios usavam as pernas para se adaptar às diferenças que encontravam.

See also  Joe Biden pede uma reforma imediata das vendas de armas

Mais especificamente, as aves envolvem suas garras em torno de seus poleiros, caso contrário, use almofadas macias e dobradas para garantir uma boa adesão.

Para poder suportar um pequeno drone com quatro hélices, os cientistas projetaram garras com base no modelo das pernas do falcão-peregrino.

A estrutura, feita com impressora 3D, inclui motores e linha de pesca como músculos e tendões.

Demora 20 milissegundos para conectar o mecanismo, então o acelerômetro diz ao robô que a aterrissagem foi concluída.

Finalmente, o algoritmo permite que o pássaro mecânico mantenha seu equilíbrio no galho.

O robô foi capaz de agarrar objetos arremessados ​​contra ele, como bolas de tênis, e pousar em condições reais nas florestas do noroeste dos Estados Unidos.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *