Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Opinião

Vítor Ferreira

Vítor Ferreira

Diretor Executivo da D. Dinis Business School e Docente do IPLeiria

Terra Queimada

Na passada madrugada do dia 17 de Outubro estive a “ver chover”. Durante uns bons dez minutos abri a janela e, com a mesma curiosidade e espanto que tinha há mais de 30 anos, fiquei parado a ouvir as gotas de água caírem, como que deslumbrado pelo cheiro acre da chuva tardia. Chover lava a alma, dizem. Neste caso a água lavou as cinzas, mas não as mágoas de um país para sempre por concluir.

Dir-se-ia que algures nestes dias, entre a tragédia, existe uma lição para aprender, mas tenho a sensação que esta vai escapar à maioria. No meio da calamidade de proporções pessoais, sociais, económicas dantescas, encontra-se uma Sociedade que falhou porque não soube acudir aos seus.

Por um lado, existe de facto (sempre existiu) um problema de planeamento estatal, um problema de ordenação de território, um problema de meios e de cortes, que teve um impacto indissipável na situação que ocorreu. O lado cego administrativo que dispensa meios porque estamos em outubro, chocou de forma brutal com a realidade ambiental. Este problema é tão grave que a sua responsabilidade não devia ser dissolvida nas cinzas ou no tempo (como temo que venha a acontecer). Por outro lado, não devemos apenas imputar culpas aos incendiários ou ao (des)Governo, sem olharmos para as responsabilidades conjuntas e individuais.

No meio da calamidade de proporções pessoais, sociais, económicas dantescas, encontra-se uma Sociedade que falhou porque não soube acudir aos seus.

Estas tímidas águas de outubro são o resultado de 150 anos de incúria ambiental, de um mundo onde não são só os governos que desgovernam, mas também cada um de nós se esquece do seu dever cívico de preservar o futuro. O dever cívico não se esgota em ajudar os bombeiros no meio do fogo, mas estende-se à limpeza prévia dos terrenos, à supressão de determinadas práticas perigosas (foguetes, queimadas, churrascos, etc.), ao cuidado com a floresta e com o ambiente, não só no curto-prazo, mas também no longo-prazo.

Vivemos num mundo de inevitável aquecimento global, causado pelo somatório de todos os nossos comportamentos. Há muito a fazer, que envolve repensar o país na perspetiva político-administrativa, mas também uma alteração para comportamentos e consumos ambientalmente mais responsáveis (seja ao nível de transporte pessoal, seja ao nível dos produtos que consumimos, onde devemos assegurar que foram produzidos respeitando o ambiente). Veremos se da terra queimada renasce a verde esperança de um Portugal melhor.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.