O símbolo da Editora do Sul comemora 120 anos

« Eu suspeito Giuseppe Laterza, presidente da editora de mesmo nome, observa.Nossa empresa é acima de tudo uma empresa cultural inovadora“,” relatórios Ilhas de 24 horas.

Foi assim que Giuseppe Laterza definiu a casa de Barry, especialista em obras de não ficção, fundada 120 anos antes, em 10 de maio de 1901, quando Giovanni Laterza anunciou sua criação em comunicado aos leitores.

Fundação e encontro com Benedetto Croce

Conforme enfatizado na introdução ao catálogo histórico da editora, atualizado para 2020, “A carta de Giovanni Laterza anuncia dois objetivos ambiciosos: “Para tornar o nosso Bari conhecido entre outras cidades da Itália, não só como um centro comercial, industrial e comercial, mas também como um centro cultural Lançamento de uma iniciativa editorial que reúneO melhor que se produz literal e cientificamente, na Apúlia e além, ou seja, o que pode valer a pena a divulgação da cultura modernaEsse era o objetivo de Giovanni Laterza ao estabelecer seu projeto cultural.

Fundada como uma continuação natural da livraria e gráfica Laterza, continua sendo uma empresa familiar até hoje: Giuseppe é presidente desde 1997 e seu primo Alessandro é o CEO.

O encontro decisivo no início de sua história foi aquele com Benedetto Croce (1866-1952), importante filósofo e político italiano, que pintou “mapa genético»O que ainda hoje é a editora, através da consolidação da qualidade dos objetivos, da publicação de textos factuais em vez de literatura e da abertura à cultura europeia. Como podemos ler na introdução do catálogo, o encontro com o filósofo sela o destino da tímida iniciativa de libertação regional.O ambicioso programa do filósofo para construir e disseminar uma cultura com uma forte base histórica e ideal قاعدة».

See also  Grécia ainda está atrasada em pagamentos online

Abrindo-se para conhecer Vito Laterza

Outro passo importante foi a entrada na editora de Vito Laterza em 1949, o que deu origem à criação da rede “Amigos da Casa Laterza”, um verdadeiro ponto de viragem: é uma forma de solidariedade, incluindo a cultura. , o que é importante no período pós-guerra. . No entanto, a verdadeira revolução de Vito Laterza é a ideia de expandir os conteúdos culturais para incluir correntes intelectuais que já não pertencem à Matriz Croce: da filosofia e da história, o interesse desloca-se para a sociologia, a linguística e a antropologia. Como observa o historiador Luciano Canfora, “A grande intuição da Casa Laterza foi transcender Croce criando conhecimento“, Eu tenho República.

Entre 1960 e 1980, a editora mudou de cara e o núcleo editorial de Barry foi acompanhado por outro núcleo fundado em Roma. Outras inovações fundamentais foram introduzidas: a construção de uma rede de agentes de promoção em bibliotecas e escolas (mais tarde a casa faria parte da distribuição Messaggerie Italiane), a fundação em Bari da redação. Organizador. Em 1963, a antiga sociedade familiar foi transformada em sociedade por ações, na qual os órgãos de gestão foram adaptados à mais moderna gestão empresarial.

Em 1980, o grupo de qualidade de não ficção, I Robinson, foi lançado ao público em geral e no ano seguinte nasceu outro grupo importante, a Biblioteca Universale Laterza. Uma série de livros de importância internacional foi publicada, incluindo em 1987 DC.Homem medieval, de Jacques Le Goff, que abriu uma coleção publicando importantes historiadores europeus, como Eugenio Garin, Andrea Giardina, Sergio Donadoni, Jean-Pierre Fernant e Rosario Villari.

Rumo a uma cultura cada vez mais “europeia”

O que pode ser definido como a “terceira etapa” da história da editora se dá entre o final do século XX e o início do novo século, principalmente por meio de uma abordagem “europeia”. A opção é publicar livros escritos por autores europeus diretamente, às vezes em co-publicação com editoras do Velho Continente. É o caso, por exemplo, do grupo Faire Europe dirigido por Jacques Le Goff, lançado em 1993 com o objetivo de recriar as características comuns do antigo continente no alvorecer da unidade europeia.

See also  Economia: 22 países africanos importam suas moedas da Inglaterra e da Alemanha

O projeto reúne outras quatro editoras – Éditions du Seuil, para a França; Blackwell, para o Reino Unido; Beck, sobre a Alemanha; Crítica para a Espanha – Seguem-se os editores parceiros de Portugal, Holanda, República Checa, Eslováquia, Polónia, Hungria, Bulgária, Lituânia, Turquia, Coreia e Japão.

Laterza hoje: novas iniciativas para difundir a cultura

Nos últimos anos, o setor escolar e universitário tem se fortalecido, por um lado, e por outro, desenvolvido uma importante oferta de não ficção, capaz de chegar ao grande público, apresentando-a por meio de determinados grupos – i Robinson / Letture e Contromano – muitos endereços na fronteira entre fantasia e fantasia. O objetivo é lidar com questões bastante complexas por meio de sugestões de redação literária.

O catálogo escolar foi diversificado e, de acordo com as orientações ministeriais, a produção impressa está ligada à produção digital através da criação de plataformas online dedicadas ao mundo escolar.

As mudanças mais importantes ocorridas nos últimos anos devem-se à proliferação de canais por meio dos quais a editora enriquece o índice e expressa sua expertise. De fato, em 2006, foram lançados o Festival de Economia de Trento e o Festival de Direito de Piacenza, além de Aulas de História que fizeram sucesso de público e crítica. Em 2001, foi lançado o “Presidi del libro” (Livro Sentinelas), uma iniciativa para incentivar a leitura através da construção de uma rede de grupos de leitores, que agora está amplamente difundida na Puglia e outras regiões italianas.

Por fim, a introdução do catálogo nos lembra que nos últimos anos uma nova equipe, principalmente feminina, se juntou à editora, incluindo Antonia e Bianca Laterza, a quinta geração da empresa, “O que renovou a atividade editorial de várias maneirasAlém disso, preste atenção ao digital.

See also  Famoso restaurante de grelhados Romados fecha após 27 anos

Catálogo de mais de 12.000 títulos

O catálogo contém mais de 12.000 títulos e é dedicado a Vito Laterza, vinte anos após sua morte. Mas também é dedicado a todos os autores de Laterza: nomes de prestígio como Eric Hobsbawm, Nello Ajello, Jacques Le Goff, Tullio De Mauro, Tullio Gregory … O objetivo da casa é garantir “Um espaço de liberdade de expressão, que protege as causas da empresa para garantir a sua independência e dá voz a qualquer pessoa, discutindo, formando ou ensinando, procurando contribuir para o crescimento cívico da Itália”, Conforme relatado na introdução do catálogo a Alessandro e Giuseppe Laterza.

Portanto, aqui, de forma sucinta e sintética, a história de uma casa que ao longo do século XX contribuiu para o debate público e a divulgação do conhecimento, não só no sul da Itália, mas também a nível nacional.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *