O presidente armênio se recusa a demitir o chefe do exército

Yerevan | O presidente da Armênia, Armen Sarkissian, recusou-se, no sábado, a assinar a ordem do primeiro-ministro para demitir o chefe do exército, agravando ainda mais a crise política no país, como vários milhares de pessoas se manifestaram novamente.

Leia também: Armênia: campo de oposição de Ansar em frente ao Parlamento

A presidência afirmou em comunicado que “o presidente, no âmbito dos poderes que lhe são conferidos pela constituição, devolveu o texto (da ordem de destituir o comandante do exército) na oposição”. Ela acrescentou que a crise política “não pode ser resolvida por repetidas mudanças de funcionários.”

Logo depois, a primeira-ministra Nicole Pachinyan indicou no Facebook que retornaria o assunto à presidência, ressaltando que sua decisão “não neutralizou a crise em nada”.

O agravamento da situação veio quando vários milhares de pessoas se manifestaram em Yerevan, no sábado, pelo terceiro dia consecutivo, a fim de obter a renúncia do Primeiro-Ministro, que foi criticado por sua derrota no outono de 2020 guerra em Nagorno Karabakh.

A Armênia atravessa uma crise política desde que Pashinyan concordou em novembro com o acordo de paz proposto por Moscou, pela força e coerção, que confirma a derrota humilhante do Azerbaijão.

A crise que se alastrou desde então viu uma recuperação impressionante na quinta-feira, com o Estado-Maior pedindo a renúncia de Pacinian. Este último então condenou a tentativa de golpe, ordenou a demissão do chefe do exército, Onik Gasparyan, e reuniu cerca de 20.000 apoiadores na capital, Yerevan.

Na quinta e na sexta-feira, a oposição respondeu com milhares de manifestantes exigindo a renúncia de Pacinian.

Os manifestantes marcharam novamente no centro de Yerevan no sábado, muitos aplaudindo-os de suas janelas ou sacadas.

Às 19h30 (10h30 em Quebec), a carreata chegou em frente ao Parlamento, onde alguns manifestantes haviam montado acampamento, observou um jornalista da AFP. Cerca de 5.000 manifestantes se reuniram lá no início do dia, pedindo aos parlamentares que ajam.

See also  Donald Trump | Líder republicano no Senado quer adiar julgamento de impeachment

“Pacinian deve ir pelo bem de nosso país, porque ele está muito fraco hoje.” “Ninguém está levando isso a sério”, disse Vera Simonyan, 28, uma manifestante.

‘Acordo humilhante’

O ex-primeiro-ministro Vazgen Manukyan, citado pela oposição para substituir Nikole Pachinyan, disse à multidão que esperava “que a crise política fosse resolvida dentro de dois a três dias”.

Hoje, Pacinian não tem apoio. Apelo aos serviços de segurança e à polícia para se juntarem ao exército, para apoiarem o exército. “

Arut Zakaryan, um chaveiro de 53 anos, disse à AFP durante o protesto de sábado que Nicole Pachinyan “deve assumir a responsabilidade pela derrota na guerra, pela assinatura de um acordo humilhante.”

O primeiro-ministro armênio, que assumiu o poder em 2018 após uma revolução pacífica, tem sido alvo de pedidos de renúncia desde a derrota na guerra pelo controle da região de Nagorno-Karabakh em novembro passado.

Naquela época, diante do risco de desastre, os militares pediram ao primeiro-ministro que concordasse com o cessar-fogo negociado pelo presidente russo, Vladimir Putin, que resultou em pesadas perdas territoriais em Yerevan.

Enquanto a maior parte da região separatista armênia de Nagorno Karabakh sobreviveu, a Armênia perdeu a cidade simbólica de Shusha, bem como uma região gelada de terras azerbaijanas ao redor da região. Em seis semanas, a guerra ceifou a vida de cerca de 6.000 pessoas.

Os militares apoiaram o primeiro-ministro até agora, mas saíram esta semana após a demissão de um oficial sênior que criticou as alegações de Pachinyan de que a derrota foi em parte devido à ineficácia do sistema de armas da Rússia, os lançadores de mísseis Iskander.

Os funcionários armênios então exigiram a renúncia do Sr. Pacinyan, em virtude do fato de que ele “não era mais capaz de tomar as decisões necessárias”.

See also  O até então desconhecido rinoceronte gigante viveu na China há 26,5 milhões de anos

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *