O peso crescente e desigual dos salários variáveis

A parte variável dos salários aumenta constantemente na Europa. A evolução contribui para o reforço da desigualdade entre os colaboradores. Estes são os resultados de um Um estudo publicado neste verão por Wouter Zwysen, investigador do Instituto Sindical Europeu, com base em vários inquéritos regulares sobre as condições de trabalho e salários na Europa.

Um terço dos funcionários envolvidos

As parcelas variáveis ​​dos salários estão associadas a indicadores de desempenho que podem depender dos resultados do próprio interessado, da equipa a que pertence ou de toda a empresa. Em conjunto, estas medidas atingiram 17% dos trabalhadores europeus em 2000, proporção que aumentou para um terço em 2015, o ano mais recente disponível. Um resultado médio para toda a Europa corresponde a resultados muito contraditórios consoante o país: apenas 10% dos colaboradores estão envolvidos em Portugal, cerca de 40% em França e mais de 60% na República Checa.

Não é de surpreender que seja o mais qualificado, pois o trabalho tem uma parte mais abstrata, e quem trabalha para as maiores empresas é o mais atingido. Pessoas com contratos curtos e precários e mulheres – geralmente os mesmos – provavelmente não se beneficiarão.

Podemos encontrar explicações gerais ?

Além dessas observações, o interesse adicional do estudo decorre da tentativa de encontrar condições institucionais que estimulem o desenvolvimento dessas práticas.

A presença de representantes dos funcionários leva a indicadores de desempenho da equipe ao invés do individual

Assim, este tipo de recompensa está mais presente nos setores tecnológicos e nas empresas mais abertas à concorrência internacional. A existência de convenções coletivas nacionais, sucursais e, em menor medida, de empresas leva a uma menor frequência destes dispositivos. Nas empresas que os utilizam, a presença de representantes dos funcionários leva a mais indicadores de desempenho da equipe do que indivíduos.

See also  Uma jovem empresa com sede em Bruxelas projeta sapatos com materiais reciclados

Em geral, a tendência para mais digitalização e globalização, bem como o declínio dos acordos coletivos, podem ajudar a explicar o aumento da participação das cotas de salários variáveis ​​durante a primeira década do século XXI.

desenvolvimento desigual

Por fim, o documento confirma, com dados de apoio, até que ponto este tipo de prática reforça a desigualdade salarial. No nível mais geral, os funcionários que se beneficiam dela ganham de 7% a 9% a mais do que seus colegas no mesmo cargo, no mesmo setor, no mesmo país.

Esse tipo de remuneração representa cerca de 10% da renda salarial dos melhores assalariados, contra apenas 2% dos salários mais baixos. Em 2015, os funcionários no quartil mais bem pago tinham 2,8 vezes mais probabilidade de se beneficiar dele do que o quartil mais bem pago. As empresas em que os sindicatos são mais poderosos e onde existem acordos coletivos apresentam uma distribuição menos desigual das ações variáveis.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *