O crescente interesse pela mineração na América do Norte e do Sul

No entanto, quando se trata do interesse na mineração de criptomoedas, os fatores que contribuem para o interesse de um país têm menos importância. Resume-se geralmente a dois axiomas: quão barata é a electricidade e o quão amigável é o governo dessa nação. Olhar atentamente para estas questões primárias mostra por que razão existe um interesse  crescente na mineração cripto no hemisfério ocidental. Vamos analisar mais aprofundadamente este assunto.

Crescente interesse pela mineração de criptomoedas na América do Sul

O caso da utilização da Bitcoin para proteção contra a inflação foi gritante em duas das maiores nações da América do Sul, Venezuela e Argentina, estando ambas no top 5 dos países com as mais altas taxas de inflação. A Bitcoin, juntamente com outras criptomoedas, tornou-se popular nestes países à medida que as pessoas se esforçavam por proteger o valor dos seus bens o mais que podiam, quando a hiperinflação atingiu proporções alarmantes.

As pessoas a viver na Venezuela estavam preocupadas devido ao enfraquecimento do valor da moeda e à situação de inflação elevada. Mas na Venezuela, a electricidade é quase gratuita, o que significa que só é necessário ter sorte e ter capital, e pode ser um paraíso para os mineradores de criptomoedas.

Embora muitos países tenham registado este ano um crescimento na mineração de criptomoedas, as taxas dos serviços básicos extremamente baixas e o ressurgimento dos controlos de capital estão a ajudar a aumentar os ganhos dos mineradores na América do Sul. Alguns especialistas pensam que este é mais um exemplo da capacidade sustentada dos Argentinos de contornar as políticas heréticas da nação em seu benefício. Os preços de energia altamente subsidiados também conduziram a uma expansão da mineração na Argentina.

See also  MU está muito baixo

El Salvador tornou-se o primeiro país a dar o estatuto de moeda de curso forçado à Bitcoin, no dia 9 de Junho. Outro país da América Latina, o Paraguai, demonstrou interesse em adotar a Bitcoin no seu ecossistema monetário.

Crescente Interesse pela mineração de criptomoedas na América do Norte

Embora a China continue a ser um líder claro em termos da quota de percentagem de hash na mineração de Bitcoin, este gráfico do Centro de Finanças Alternativas de Cambridge mostra que os EUA estão em segundo lugar. Algumas empresas norte-americanas acreditam que podem obter parte da quota de mineração da China e a mudança tem vindo intensificar-se.

Existem provas para esta convicção. A Foundry, uma subsidiária da “Digital Currency Group” (DCG), um consórcio cripto, anunciou recentemente que iria gastar 100 milhões de dólares em iniciativas de mineração. A Foundry rapidamente ascendeu ao top 10 das pools de mineração.

O Canadá, com o seu clima naturalmente frio, quadro regulamentar favorável, e electricidade relativamente barata, é bom para a mineração de criptomoedas. As centrais hidroeléctricas no Québec têm sido fontes de energia especialmente atrativas para os mineradores, embora a indústria não seja exclusiva da região.

Alguns mineradores Chineses começaram a deslocar as suas operações para os EUA e Canadá para escapar às regulamentações e incertezas do seu país de origem. A afluência de atividades de mineração nestes países traz boas notícias para o emprego. Já existem relatórios sobre empresas de mineração que estão a criar empregos na América rural.

Outra razão para o crescimento das atividades de mineração de criptomoedas na América do Norte é o recente impulso no sentido da mineração renovável. Elon Musk acrescentou mais polémica ao debate sobre o elevado consumo energético na mineração de Bitcoin, desencadeando uma desvalorização da Bitcoin, da qual ainda não conseguiu recuperar. No entanto, existem indícios claros de que os mineradores responderam rapidamente no sentido de trabalharem para alcançar os 50% de mineração renovável apresentados por Elon Musk.

See also  Celtic parece com José Mourinho

A América do Norte pode representar atualmente 10% a 15% da percentagem global de hash, mas se a tendência continuar, podemos vê-la impulsionada para 25% da quota de mercado. No entanto, esta mudança na percentagem de hash só será possível mediante fornecedores de infraestruturas de classe mundial. A MineBest, uma empresa de nível global fundada em 2017, especializada em atividades de computação criptográfica, fornece serviços de alojamento profissional tanto para Bitcoin como para Altcoins.

Adicionalmente, a América do Sul é um mercado emergente para entidades de criptomoedas, ao longo dos anos as comunidades têm demonstrado grandes progressos na adoção de oportunidades cripto e de mineração. Aproveitando esta mega tendência, a MineBest está a explorar oportunidades para expandir a sua presença na região da América Latina e ajudar a alcançar a sua visão de construir instalações de centros de dados com diversas capacidades para fornecer serviços de alojamento profissional de equipamento de mineração na América do Sul.

You May Also Like

About the Author: Octávio Florencio

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *