Morre o poeta e tradutor Philippe Denis

O poeta Philippe Denis morreu segunda-feira (8 de novembro) de cancro em Viana do Castelo, no norte de Portugal. Nascido em 17 de janeiro de 1947 em Bordéus, tinha 74 anos. “Devo tudo o que fui privado”, Ele escreveu, com aquela medida precisa de palavras que sempre será a sua. Ele optou por se instalar nesta cidade depois de trabalhar como leitor em diferentes universidades, nos Estados Unidos (Minnesota e Vermont), na Turquia e, finalmente, em Portugal, em Coimbra.

Muitas vezes omitido nas antologias e às vezes esquecido nos estudos da poesia contemporânea, Philippe Denis é, no entanto, um poeta de grande valor e de rara e preciosa integridade. Sabemos disso se acompanharmos as diferentes etapas do seu percurso poético, marcado por numerosas publicações, muitas vezes em pequenas editoras.

Andre de Boucher reconheceu desde o início da idade adulta, e foi bem-vindo na revisão remoção instantânea A partir de 1969. Depois, houve outras publicações em revistas – em particular divisões Por Jean Pascal Leger mundo do vento por Yves Peyré, ou Argila, por Claude Esteban e mais recentemente A Revue de belles-lettres. Com isso, teve a oportunidade de conhecer e trabalhar com pintores como Miró, Tal Cote, Miklos Bokor, Gisele Celan Lestrange e outros. Esses encontros não foram por acaso: foram mais sobre a convergência profunda de dois gestos, minha poesia e minha fotografia, do que um simples projeto ilustrativo.

longe das correntes

Amigo de Jacques Dubin, com ele de grande afinidade literária e artística, ele subscreveu, mas em seu próprio nome, longe das escolas e correntes, uma linhagem poética que unia a economia das palavras – poucos ou nenhum adjetivo – e a abordagem abstrata de realidade, longe de qualquer elevação ou destaque lírico, sob grande parte da Luz, sobre a privacidade do autor. Na introspecção, o olhar voltado para a consciência não está necessariamente ausente, mas sempre se expressa na obscuridade, por caminhos acidentados e imprevisíveis, às vezes com humor.

See also  Mônaco apóia a juventude do Mediterrâneo junto com a França

No prefácio de um livro publicado pelas edições suíças La Dogana em 2008, NogiYves Bonvoy apontou acertadamente, em relação a Philippe Denis, que “Nada é mais estranho para ele do que o autocuidado e a ilustração narcísica desse eu anedótico e frio”. Uma de suas coleções tem este apelido importante: Pequenas teses sobre afasia lírica (Le Bruit du temps, 2011). Este cuidado múltiplo, longe de confiná-lo ou forçá-lo, permitiu que Philippe Dennis modificasse sua voz de maneira única e permanecesse fiel a ele.

Você tem 42,4% deste artigo para ler. O resto é apenas para assinantes.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *