Moçambique. Devemos nos mover! Os europeus vão treinar forças especiais. (João Gomez Cravenio)

Ministro da Defesa de Portugal, João Cravenio (© NGV / B2)

(B2 – Especial) Quinta-feira, ministros da Defesa da União Europeia deram luz verde para o planeamento de uma missão de treino militar em Moçambique. O Ministro português João Gómez Cravenio explica os meandros da nova missão da PCSD que deve começar em 2021.

O tema de Moçambique esteve na pauta da reunião de ministros da Defesa desta quinta-feira (6 de maio), entre outros temas da atualidade como a região do Sahel ou a Líbia …

O Alto Representante falou de um sentido de urgência, dizendo que os europeus deveriam participar. Você compartilha dessa visão?

– Devemos agir, sim. Na região de Cabo Delgado [au Nord du Mozambique]Vemos dinâmicas locais e internacionais específicas relacionadas ao que está acontecendo na Somália ou na região do Sahel. É sempre assim quando há incursões terroristas: Temos motivos internacionais e uma aliança local …

Se não agirmos, haverá perigo?

É realmente um risco, como acontece em muitos lugares do Sahel. Há um ano, a cidade de Mocímboa da Praia [dans le Nord près de la Tanzanie] Eles não são realmente governados por grupos terroristas, eles são controlados por eles. E pode piorar. Corremos o risco de ter uma área totalmente controlada por grupos terroristas. É realmente inaceitável. Não podemos permitir que partes da terra escapem da soberania do governo.

Você tem a impressão de que seus colegas ministros entenderam isso direito?

– Todos entendem isso muito bem. Muitos ministros – pelo menos três quartos dos que falaram – referiram-se a ele em seus discursos. Devíamos criar uma missão de formação para a União Europeia. Será atribuído a forças especiais. Isso difere um pouco de outras missões de treinamento da União Europeia, na região do Sahel ou na Somália, por exemplo.

READ  A discussão entre Da Costa e Simão levou à desqualificação do ... treinador de Hirlo

Os países vão continuar conversando e intervir? O que eles disseram?

Ainda é muito cedo para dizer quem estará lá. Existem procedimentos internos em todos os países. Alguns disseram: Isso é importante, mas é difícil participar no momento; Porque temos outras prioridades e já planejamos nosso exército este ano. Mas outros diziam: pode contar conosco! Seja por uma contribuição simbólica, seja por uma contribuição mais significativa (1). Isso é o que me confortou. Existe uma dinâmica forte o suficiente para que a chamadaSensor de força” [consistant à identifier les forces disponibles] Ser bem sucedido.

Teremos pessoal suficiente?

Você sabe o que estamos planejando, é uma missão pequena, muito menor do que a que já temos em campo no Mali ou na Somália, por exemplo. O número deve ficar em torno de cem soldados, 120 no máximo. O meu país, Portugal, já se comprometeu a disponibilizar metade do pessoal. Portanto, não deve ser muito difícil, eu acho, encontrar mais cinquenta ou sessenta entre os europeus. Mas [avant cela], Ainda temos um monte de questões para realmente resolver. O Serviço Europeu de Acção Externa vai também enviar uma missão técnica em Maio a Moçambique para determinar “como” e “exactamente onde”.

Moçambique quer equipamento em vez de treinadores?

O governo moçambicano quer muito treinar as suas forças. Claro, você também não pode viver sem treinar. Temos experiência no Mali e na República Centro-Africana: a formação de forças desmilitarizadas é inútil. Seria um absurdo. Devemos ter forças armadas. Agora temos o Fundo Europeu para a Paz. Nova máquina. É realmente uma virada de jogo. Não estamos preocupados com esse aspecto aí. Haverá soluções. O equipamento chegará na hora certa.

READ  A epidemia de febre amarela na Nigéria matou 172 pessoas desde novembro

Portanto, a missão não estará no terreno amanhã? Antes do final do ano, pelo menos?

O processo de planejamento é um processo técnico, mas também é um processo político (com Moçambique). O ministro da Defesa de Moçambique está três dias em Lisboa a partir de segunda-feira. Definitivamente vamos discutir isso. Para dar uma resposta definitiva à sua pergunta, a missão europeia estará definitivamente no terreno antes do final do ano. Espero muito antes.

(Entrevista com Nicholas Gross Fairhead e Aurelie Pugnett)

Nota: De acordo com algumas fontes europeias, três ou quatro países já começaram: Itália (com uma contribuição bastante grande), Grécia e Romênia e, sem dúvida, Suécia. Para a França, a decisão ficará nas mãos de Emmanuel Macron e poderá ser acertada numa entrevista ao ‘Chef à Chef’, quer esta noite no Porto, quer num futuro encontro. Concretamente, iniciou-se o estudo do Conceito CMC, primeira etapa do planejamento militar. está lendo: A Delegação da União Europeia a Moçambique: Josep Borrell avança a passos largos. O planejamento começa

Para assistir: a Europa deve pensar geopoliticamente, aprender a se identificar como ator geoestratégico (João Gómez Cravenio)

Entrevista cara a cara em francês, em Bruxelas, sexta-feira, 7 de maio, na residência do Representante Permanente de Portugal junto da União Europeia.

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *