Moçambique. Devemos nos mover! Os europeus vão treinar forças especiais. (João Gomez Cravenio)

Ministro da Defesa de Portugal, João Cravenio (© NGV / B2)

(B2 – Especial) Quinta-feira, ministros da Defesa da União Europeia deram luz verde para o planeamento de uma missão de treino militar em Moçambique. O Ministro português João Gómez Cravenio explica os meandros da nova missão da PCSD que deve começar em 2021.

O tema de Moçambique esteve na pauta da reunião de ministros da Defesa desta quinta-feira (6 de maio), entre outros temas da atualidade como a região do Sahel ou a Líbia …

O Alto Representante falou de um sentido de urgência, dizendo que os europeus deveriam participar. Você compartilha dessa visão?

– Devemos agir, sim. Na região de Cabo Delgado [au Nord du Mozambique]Vemos dinâmicas locais e internacionais específicas relacionadas ao que está acontecendo na Somália ou na região do Sahel. É sempre assim quando há incursões terroristas: Temos motivos internacionais e uma aliança local …

Se não agirmos, haverá perigo?

É realmente um risco, como acontece em muitos lugares do Sahel. Há um ano, a cidade de Mocímboa da Praia [dans le Nord près de la Tanzanie] Eles não são realmente governados por grupos terroristas, eles são controlados por eles. E pode piorar. Corremos o risco de ter uma área totalmente controlada por grupos terroristas. É realmente inaceitável. Não podemos permitir que partes da terra escapem da soberania do governo.

Você tem a impressão de que seus colegas ministros entenderam isso direito?

– Todos entendem isso muito bem. Muitos ministros – pelo menos três quartos dos que falaram – referiram-se a ele em seus discursos. Devíamos criar uma missão de formação para a União Europeia. Será atribuído a forças especiais. Isso difere um pouco de outras missões de treinamento da União Europeia, na região do Sahel ou na Somália, por exemplo.

See also  Cristiano Ronaldo bate novo recorde na seleção nacional

Os países vão continuar conversando e intervir? O que eles disseram?

Ainda é muito cedo para dizer quem estará lá. Existem procedimentos internos em todos os países. Alguns disseram: Isso é importante, mas é difícil participar no momento; Porque temos outras prioridades e já planejamos nosso exército este ano. Mas outros diziam: pode contar conosco! Seja por uma contribuição simbólica, seja por uma contribuição mais significativa (1). Isso é o que me confortou. Existe uma dinâmica forte o suficiente para que a chamadaSensor de força” [consistant à identifier les forces disponibles] Ser bem sucedido.

Teremos pessoal suficiente?

Você sabe o que estamos planejando, é uma missão pequena, muito menor do que a que já temos em campo no Mali ou na Somália, por exemplo. O número deve ficar em torno de cem soldados, 120 no máximo. O meu país, Portugal, já se comprometeu a disponibilizar metade do pessoal. Portanto, não deve ser muito difícil, eu acho, encontrar mais cinquenta ou sessenta entre os europeus. Mas [avant cela], Ainda temos um monte de questões para realmente resolver. O Serviço Europeu de Acção Externa vai também enviar uma missão técnica em Maio a Moçambique para determinar “como” e “exactamente onde”.

Moçambique quer equipamento em vez de treinadores?

O governo moçambicano quer muito treinar as suas forças. Claro, você também não pode viver sem treinar. Temos experiência no Mali e na República Centro-Africana: a formação de forças desmilitarizadas é inútil. Seria um absurdo. Devemos ter forças armadas. Agora temos o Fundo Europeu para a Paz. Nova máquina. É realmente uma virada de jogo. Não estamos preocupados com esse aspecto aí. Haverá soluções. O equipamento chegará na hora certa.

See also  O português Thiago Rodriguez foi nomeado futuro diretor do Festival de Avignon

Portanto, a missão não estará no terreno amanhã? Antes do final do ano, pelo menos?

O processo de planejamento é um processo técnico, mas também é um processo político (com Moçambique). O ministro da Defesa de Moçambique está três dias em Lisboa a partir de segunda-feira. Definitivamente vamos discutir isso. Para dar uma resposta definitiva à sua pergunta, a missão europeia estará definitivamente no terreno antes do final do ano. Espero muito antes.

(Entrevista com Nicholas Gross Fairhead e Aurelie Pugnett)

Nota: De acordo com algumas fontes europeias, três ou quatro países já começaram: Itália (com uma contribuição bastante grande), Grécia e Romênia e, sem dúvida, Suécia. Para a França, a decisão ficará nas mãos de Emmanuel Macron e poderá ser acertada numa entrevista ao ‘Chef à Chef’, quer esta noite no Porto, quer num futuro encontro. Concretamente, iniciou-se o estudo do Conceito CMC, primeira etapa do planejamento militar. está lendo: A Delegação da União Europeia a Moçambique: Josep Borrell avança a passos largos. O planejamento começa

Para assistir: a Europa deve pensar geopoliticamente, aprender a se identificar como ator geoestratégico (João Gómez Cravenio)

Entrevista cara a cara em francês, em Bruxelas, sexta-feira, 7 de maio, na residência do Representante Permanente de Portugal junto da União Europeia.

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *