Maya Da Rin – “Fever”

E a febre É o primeiro longa-metragem de ficção de Maya da Ren, e sua exploração das culturas indígenas do Brasil não é sua primeira tentativa. Em documentários borda (2007) e terras (2009), questionou as fronteiras humanas, sociais e geográficas na Amazônia. No multi-premiado febre – principalmente em Locarno, com o merecido papel de Pardo de Melhor Ator e com o Prêmio Fiprescelle no final – traçando a trajetória de um índio-americano radicado em Manaus, cidade onde ficam o Rio Negro e o Amazonas. Justino trabalha como segurança na área do porto industrial e se vê preso em uma estranha alta temperatura, enquanto um animal selvagem está vagando nas proximidades. Sua filha Vanessa acaba de estudar medicina em Brasília, mas reluta em deixar o pai entregue à própria sorte.

Febre – Sobrevivência de Regis Meropu (C)

Maya Da-Rin publica um conjunto de elementos eloquentes, mas não ostentosos, para descrever visualmente a leve náusea ou desconforto físico do personagem. Sua organização insiste no lado interno das coisas, que é o que acontece no oco. O ritmo da imagem é o pulso da ausência de peso, a falta de norma quando se está em um estado físico intermediário. A importância do não dito está na duração dos planos. Ao contrário de Apichatpong Weerasethakul, cuja hipnose desconstrói os planos fixos em uma questão de sonhos e fantasias, o diretor formula uma doença dedicada, ou melhor, um “mal” que se agarra a Justino até o fim. preso a ele. Eles compõem molduras de rara beleza, a partir de chiarosuro de texturas. Quando o pai aparece na tela, seu rosto está sempre coberto de sombras. Ele parece inacessível à luz, assim como melhorar sua condição parece impossível. Sua filha Vanessa, que prometia um futuro promissor na capital do país, se beneficiou de uma caracterização mais franca dos traços com manchas que os tornam totalmente visíveis e intocados por doenças.

Febre: Regis Mirabeau

Febre – Sobrevivência de Regis Meropu (C)

Porque a febre não é apenas uma questão de metabolismo entre os nativos americanos. Decorre de uma ruptura em nossa conexão com o mundo, de um erro filosófico, de uma perda de conexão com nossas raízes. A alienação iminente de Vanessa torna a ênfase na linguagem no filme ainda mais relevante. Justino e sua família falam o tucano, língua compartilhada pelas 20 etnias do Alto Rio Negro. Por outro lado, Justino fala português com os colegas de trabalho ou departamentos. Essas viagens de ida e volta entre sua cultura nativa e sua cultura urbana adotada reforçam a tensão do personagem entre seus valores mais profundos e a forma como o mundo funciona. Suas discussões em Tukano são da ordem da intimidade (a ideia de enviar Justino a um xamã, por exemplo), enquanto os diálogos que ele “endossa” em português incidem sobre o que está gravado no mármore (retórica de RH ou ideologias políticas). Apesar de tudo, Vanessa personifica a fuga de uma cultura ancestral indígena: ela não se tornará uma xamã, mas uma médica. Ela se encontra em uma encruzilhada no que sua família gostaria que ela se tornasse e em suas aspirações pessoais.

Febre: Regis Meropu, Rosa Peixoto

Febre – Regis Meropu, Rosa Peixoto (c) Sobrevivência

É aqui que o longa-metragem ganha força política. O colega de Justino e seus comentários problemáticos sobre os “índios” atestam um caso particular do Brasil, onde as mensagens nacionalistas se firmaram como verdade autoproclamada e até como cura. “Cura” não é tão simples quanto Jair Bolsonaro ou a medicina ocidental gostariam, nem a definição de animal errante. Na língua tucano, não existe fronteira semântica entre a natureza e o ser humano. O mal roedor só pode ser resolvido por meio da auto-conformidade. Justino se vê diante do dilema de tratar a filha da febre que certamente causou. Porém, nada parece estar perdido para Justino: ele está sempre cercado pelo som da floresta, na orla da floresta, ele pode voltar a se osmose com a natureza. Por outro lado, o baile de contêiner que frequenta no porto o tira um pouco mais de sua identidade a cada dia. Justino está condenado a ser esse cavaleiro entre duas águas, esse “índio” em uma cidade dominada pelo sedentarismo. Régis Myrupu, do povo Desana, retrata o personagem com requintada precisão em um cabo de guerra entre a assimilação total e o arrependimento silencioso.

READ  Praça do Maldito Ronaldo

Maya da Ren prefere pensar em cavar seus assuntos. Ela opta pela sinceridade e pela verdade das apostas, mas evita a afirmação com cascos grandes. A chamada de terras ainda é a mais forte, e espera-se que aqueles que você pisar no futuro sejam tão imersivos quanto em febre.

© Todos os direitos reservados. Culturopoing.com é totalmente voluntário (Association de loi 1901) e respeita os direitos autorais, enquanto respeita o trabalho dos artistas que procuramos promover. As imagens que aparecem no site são meramente ilustrativas, não são para fins comerciais e não são propriedade da Culturopoing. No entanto, se a imagem sair do nosso controle, ela será removida imediatamente. Contamos com a generosidade e a atenção de cada leitor – anônimo, distribuidor, assessor de imprensa, artista, fotógrafo.
Entre em contato com Bruno Piszczorowicz ([email protected]) ou Olivier Rossignot ([email protected]).

© Todos os direitos reservados. Culturopoing.com é totalmente voluntário (Association de loi 1901) e respeita os direitos autorais, enquanto respeita o trabalho dos artistas que procuramos promover. As imagens que aparecem no site são meramente ilustrativas, não são para fins comerciais e não são propriedade da Culturopoing. No entanto, se a imagem sair do nosso controle, ela será removida imediatamente. Contamos com a generosidade e a atenção de cada leitor – anônimo, distribuidor, assessor de imprensa, artista, fotógrafo.
Entre em contato com Bruno Piszczorowicz ([email protected]) ou Olivier Rossignot ([email protected]).

You May Also Like

About the Author: Aldina Antunes

"Praticante de tv incurável. Estudioso da cultura pop. Pioneiro de viagens dedicado. Viciado em álcool. Jogador."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *