mau tempo | Pelo menos 68 mortos na Europa devastaram a Alemanha

(Maine) Fortes chuvas e inundações deixaram pelo menos 68 mortos e muitos desaparecidos quinta-feira na Europa, especialmente na Alemanha, que está passando pelo pior desastre natural do período pós-guerra.




Michelle Fitzpatrick com Matthew Foulkes em Berlim
Agência de mídia da França

A Bélgica, onde o mau tempo causou nove mortes, também sofreu danos significativos, assim como Luxemburgo e Holanda.

Mas a situação no oeste da Alemanha é a mais trágica, com o número de mortos chegando a pelo menos 59 mortos e dezenas de feridos. À noite, foram encontrados os corpos de nove moradores de um centro para deficientes físicos, que se surpreenderam com o nível de água elevado.

Muitas aldeias permaneceram isoladas do mundo na noite de quinta-feira, aumentando o temor de que o número de mortos possa aumentar. Dezenas de pessoas ainda estão desaparecidas.

FOTO THOMAS FREY, AP

A situação é muito trágica no oeste da Alemanha, onde o último número de mortos atingiu pelo menos 59 mortos e dezenas de feridos.

“Tragédia”

“É um desastre, uma tragédia”, respondeu a chanceler alemã, Angela Merkel, de Washington, onde iniciou uma visita oficial na quinta-feira.

“Temo que não veremos toda a extensão da catástrofe até os próximos dias”, acrescentou ela em uma entrevista coletiva com Joe Biden, que lhe ofereceu suas “mais profundas condolências”.

Foto de Susan Walsh, AP

Angela Merkel está em Washington, onde iniciou uma visita oficial na quinta-feira.

Cerca de metade das mortes ocorreram na região da Renânia do Norte-Vestfália (Oeste), a mais populosa da Alemanha, e o restante na vizinha Renânia-Palatinado, onde a passagem de águas turbulentas teve um efeito tsunami.

READ  Seven were killed in a knife attack in northeastern China

No único e devastado cantão de Bad Neuenaar-Arueller, as autoridades disseram à noite que ainda havia 1.300 pessoas sem notícias. Mas eles acreditam que esse número está relacionado a interrupções na rede telefônica.

Na cidade maia da Renânia-Palatinado, as ruas foram completamente inundadas.

De onde vem toda essa chuva? “É uma loucura”, disse Anne-Marie Muller, olhando para seu jardim inundado de sua varanda. Durante a noite, ela “fez tanto barulho e, dada a rapidez com que desmaiou, pensamos que ela iria quebrar a porta”.

“Em 2016, tivemos inundações graves, mas já passou disso”, disse Oli Walsdorf, vice-chefe de bombeiros no Maine.

Armin Laschet, o candidato a suceder ao chanceler no outono após as eleições legislativas, cancelou apressadamente uma reunião do partido. “A situação é preocupante”, disse Laschet, que visitou as comunidades submersas com botas de borracha.

Foto de Michelle Fitzpatrick, AFP

Na cidade maia da Renânia-Palatinado, as ruas foram completamente inundadas.

Nesta vasta área, dois bombeiros foram mortos na intervenção, enquanto dois homens morreram afogados no porão inundado.

Chuvas fortes aumentaram o volume dos rios, derrubaram árvores e inundaram estradas e casas.

Um total de 15.000 funcionários de equipes de socorro, polícia e exército estão trabalhando nas áreas mais afetadas.

O ministro das Finanças, Olaf Schulz, candidato social-democrata à chancelaria, também foi lá para avaliar o prejuízo, que deve rondar centenas de milhões de euros. Dois meses e meio antes da eleição, a candidata ambientalista Annalena Barbock planeja encurtar suas férias.

Porque essas condições climáticas acontecem em meio a uma campanha eleitoral e enquanto a questão do clima já ocupa um lugar central. Eles também se lembram das enchentes anteriores no verão de 2002, que o chanceler Gerhard Schroeder enfrentou, antes de ser reeleito para o Partido Conservador.

READ  Uma dinastia política está tomando forma no Turcomenistão

“Melhor” para preparar

“Essas flutuações climáticas extremas são consequências da mudança climática”, disse o ministro do Interior, Horst Seehofer, para o qual a Alemanha deveria “estar mais bem preparada”.

“Isso significa que precisamos acelerar a ação climática – em nível europeu, nacional e global”, acrescentou Laschet, que está à frente dos ambientalistas em pesquisas de opinião.

Uma atmosfera mais quente retém mais água e pode causar fortes precipitações. Isso pode ter consequências devastadoras, especialmente em áreas urbanas, com drenagem e construção deficientes em áreas propensas a inundações.

Vizinhos das regiões alemãs mais afetadas, Bélgica, Holanda e Luxemburgo, também foram atingidos.

Na Bélgica, quatro pessoas ainda estão desaparecidas.

Os militares foram destacados para quatro das dez províncias do país para ajudar nos esforços de socorro e nas numerosas evacuações. Desde quarta-feira, foram fornecidas tendas para transportar os residentes da cidade termal inundada.

Foto de Bruno Fahey, AFP

A cidade termal da Bélgica foi inundada.

O presidente da Região da Valônia, Elio de Rupo, advertiu que a inundação do rio Mosa “terá um caráter muito perigoso em Liège”.

Na região de Limburg, no sul da Holanda, a enchente do rio Meuse em Maastricht à noite deveria atingir um nível nunca visto em dois séculos. O Rei Willem-Alexander e a Rainha Máxima voaram para lá na noite de quinta-feira para se encontrar com equipes de resgate e vítimas do desastre, e o primeiro-ministro Mark Rutte deve vir na sexta-feira.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *