Marc Marquez, o audacioso deve aprender a ter paciência

Marc Marquez está de volta. Após uma pausa forçada de quase nove meses, este talento excepcional regressou ao MotoGP para o Grande Prémio de Portugal. E – é claro, com grandes ambições.

Marc Marquez já pode ser um adulto aos 28 anos. Desta vez, o catalão consegue resistir à tentação de se encontrar no início do primeiro Grande Prémio da temporada no Qatar com o seu carro Honda. O oito vezes campeão mundial disse: “Teríamos estado lá com prazer, mas os meus médicos aconselharam-me a não o fazer e os ouvi”. “Eu me concentrei em ouvir meus médicos e entender meu corpo para poder voltar à competição e fazer o que amo.”

Esta paciência é uma coisa nova para o porta-estandarte do MotoGP. Se ele está afastado por muito tempo, é também por causa de sua falta de bom senso e impaciência. No início da temporada passada, após uma longa pausa devido ao Coronavirus, Marquez fez uma forte recuperação em 19 de julho em Jerez, passando do décimo sexto para o terceiro lugar. Mas em vez de garantir uma plataforma, ele atacou novamente antes de cair com força e quebrar o braço. Uma semana depois, ele realmente queria estar no início da próxima corrida, mas logo teve que desistir de seu negócio arriscado para dizer o mínimo.

Marquez poderia ter coroado sua primeira corrida com uma vaga no pódio e, em vez disso, perdeu seu título favorito durante toda a temporada. Ele deixou um grande vazio para trás. Em 2019, um piloto Honda da classe Moto GP conquistou doze vitórias em dezenove corridas e ficou em segundo lugar seis vezes. No ano passado, nove pilotos estavam competindo para vencer o Quatorze Grand Prix. O novo campeão mundial Joan Mir obteve apenas uma vitória a caminho de seu título. Agora o presidente está de volta. Mas em que caso?

READ  Tribunal parisiense decompõe novo ataque do bilionário angolano - Jeune Afrique

Imediatamente eficaz?

Stefan Bradel, da Speedweek, assume que “Mark se preparou para que seu retorno não seja um fracasso.” O alemão substituiu o marquês nos últimos meses na Honda com relativo sucesso. Por sua vez, Francesco Guidotti, capitão da equipe do capitão do Campeonato Mundial Johan Zarco, expressou sua convicção de que o Marquez seria formidável imediatamente. Não vejo contra o que ele pode falar, mesmo em um nível psicológico. Ainda desconhecido: como ele lidou com aquela longa pausa, tanto física quanto mentalmente?

Será o mesmo Marquês, um striker em qualquer vento, que consegue andar de bicicleta como nenhum outro, sempre no extremo? Guidotti adivinha: “Talvez ele tivesse mais cuidado para não escorregar. Se tivesse que cair de novo, seria difícil de suportar.”

O italiano lembra ainda que não é a primeira vez que o marquês se encontra nesta situação. Em 2011, após um traumatismo craniano, perdeu parcialmente a visão e teve de faltar às últimas corridas da temporada de Moto2. E antes disso, ele já havia quebrado o braço a 125 cc de uma vez. Mas a pausa que se seguiu não foi longa. Guidotti acredita: “Mas hoje ele está definitivamente mais forte mentalmente.”

A volta de Marquez não só encanta os torcedores, mas sobretudo a Repsol Honda. Sem o domínio dos últimos anos, ela só celebrou dois pódios no ano passado graças a Alex Marquez, o caçula de Mark. O futuro vai mostrar se a máquina vale alguma coisa e se o Marquês é melhor do que os outros que já tentaram conduzir Honda. A primeira resposta poderá ser sexta-feira no circuito da Costa do Algarve.

/ ATS

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *