Mais juízes, mais diversidade sob Joe Biden

(Washington) O presidente Joe Biden e o Senado dos EUA, de maioria democrata, estão nomeando juízes a uma taxa que seus antecessores, incluindo o ex-presidente Donald Trump, não viram.


Mark Sherman e Darlene Superville
Agência de notícias

Oito juízes já foram confirmados em seus novos cargos, incluindo o candidato à Suprema Corte, Ketanji Brown-Jackson, que acaba de ingressar no Tribunal Federal de Apelações em Washington.

Além disso, mais de 30 outras nomeações judiciais estão em fase de confirmação, com um total de 100 vagas a serem preenchidas.

Na mesma época do ano, há quatro anos, o Senado controlado pelos republicanos confirmou apenas quatro nomeações judiciais para Donald Trump, incluindo a de Neil Gorsuch.

Durante as duas últimas presidências democratas, em 1993 e 2009, nenhum juiz foi nomeado até o final de julho.

Os dois últimos presidentes democratas, Bill Clinton e Barack Obama, demoraram a nomear juízes, mas ambos enfrentaram a difícil tarefa de preencher as cadeiras da Suprema Corte, o que retardou o processo.

Os progressistas tentaram persuadir o juiz Stephen Breyer a renunciar neste verão, mas o líder da ala liberal de 82 anos mostrou que está determinado a assumir quando o tribunal retornar em outubro.

Aqueles que queriam que o juiz Breyer fosse não esconderam sua decepção, mas ainda estão felizes em ver a diversidade de indicações que Joe Biden anunciou até agora. Vemos mais diversidade étnica, diversidade de gênero e até diversidade de experiência no sistema de justiça. Isso contrasta fortemente com as nomeações predominantemente dominadas por homens brancos no governo Trump.

Desde a chegada do governo Biden, vimos procuradores do serviço público, procuradores dos direitos civis e procuradores do trabalho subirem ao pódio junto com as nomeações mais populares de procuradores-gerais e procuradores de grandes corporações.

See also  Um urso ataca uma mulher através de uma escotilha de banheiro ao ar livre

O presidente cessante da Aliança para a Justiça, Nan Aaron, não está muito preocupado com a decisão do juiz Breyer de permanecer no cargo. No entanto, ela teme que a fraca maioria democrata no Senado seja hackeada e que o Senado Republicano bloqueie a indicação democrata, como foi o caso com a morte de Antonin Scalia em 2016.

Apesar de tudo, meu Aaron diz que está “muito satisfeito com o ritmo e a qualidade das indicações de Joe Biden”, principalmente devido aos diversos planos de carreira dos novos jurados.

Entre as novas nomeações, destacamos Tiffany Cunningham, que se tornou a primeira mulher negra a ingressar no Tribunal de Apelações de Washington, bem como Candice Jackson Acume, a segunda mulher negra a ingressar no tribunal. Recurso Federal de Chicago.

Também digna de nota é a nomeação da advogada civil Myrna Perez para o painel do Tribunal Federal de Apelações de Nova York. Ela deve se tornar a primeira mulher latino-americana a ser indicada para lá desde a saída de Sonia Sotomayor para a Suprema Corte.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *