Lutando em várias frentes | Revista Quebec

Dois anos após a pandemia, os resultados são implacáveis. Será preciso muito esforço se quisermos sair da floresta.

Além de implacável, a observação é dolorosa demais, no início de 2022. Se nos dissessem, há dois anos, que ainda estaríamos atolados na pandemia, apesar de três doses da vacina e “inúmeras medidas, ” teríamos feito uma depressão em massa.

As pessoas vivem de esperança. Devemos continuar a ter esperança. Mas também devemos nos dar os meios em várias frentes.

A receita perfeita

A cobertura vacinal e o nível de triagem insuficiente representam uma receita ideal para variantes para replicação e amplificação. Não sou eu quem diz isso, mas o diretor da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Este último, antes das férias, insistiu no fato de que o fim da epidemia é uma “questão de escolha”.

Vacinação obrigatória

Aqui, discutimos a vacinação obrigatória, que um dia alcançaremos, segundo o ministro federal da Saúde, Jean-Yves Duclos. Segundo a Organização Mundial da Saúde, esta medida, aplicada em um número cada vez maior de países, deve ser levada em consideração “depois de esgotados todos os outros tratamentos para aumentar a taxa de vacinação”.

Concordamos que este é o nosso caso. É hora de apertar os parafusos do rebelde, que tem acesso privilegiado às vacinas e ainda se recusa a aceitá-las.

No entanto, enquanto o vírus se espalhar em países desfavorecidos, onde a população não estiver bem protegida, ele continuará nos atingindo.

Os países favoritos devem se unir para imunizar o planeta. De acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, isso custaria 50 bilhões, muito menos do que os 10 trilhões que os países do G20 gastaram até agora para proteger sua economia desde o início da crise.

See also  Registro frio do Texas: "Nunca vimos isso antes", um residente de Quebec cativou instantaneamente

Para retornar à nossa vida normal, temos que mudar para a quarta marcha.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *