La Niña voltou, mas não reverteu o aquecimento global

O La Niña está de volta e continuará até o início de 2022, segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM), mas o efeito de resfriamento desse fenômeno climático não impedirá que as temperaturas fiquem acima da média em um período de tempo, em grande parte do planeta.

• Leia também: Espera-se um inverno frio e com neve em Quebec

A Organização Meteorológica Mundial previu que o La Niña ressurgirá no final de 2021 e estima que o fenômeno será “provavelmente fraco a moderado e mais fraco do que o episódio 2020/21”, de acordo com um comunicado divulgado na terça-feira.

“Apesar do efeito de resfriamento desse fenômeno climático natural, espera-se que as temperaturas em muitas partes do mundo fiquem acima da média devido ao calor que se acumula na atmosfera, que é aprisionado por níveis recordes de gases de efeito estufa”, explica a organização. Genebra (Suíça).

“O efeito de resfriamento de 2020/2021 La Niña, que geralmente é sentido durante a segunda metade do fenômeno, significa que 2021 será classificado entre os 10 anos mais quentes, não o ano mais quente,” disse o Secretário-Geral da OMM, Petteri Taalas.

E para alertar: “Este é apenas um breve intervalo e não reverte a tendência de aquecimento de longo prazo nem reduz a urgência da ação climática”.

De acordo com novas previsões da Organização Meteorológica Mundial (OMM), há 90% de chance de que as temperaturas das águas superficiais no Pacífico tropical permaneçam nos níveis La Niña até o final de 2021, e “uma probabilidade moderada (70 a 80%) que as temperaturas vão. Esta temperatura permanecerá nestes níveis ao longo do primeiro trimestre de 2022. “

O efeito do La Niña, que ocorre a cada dois a sete anos, é sentido em grande parte da Terra na forma de mudanças na pressão atmosférica, ventos e precipitação, com efeitos geralmente opostos a outro fenômeno, o El Niño.

See also  Argentina earthquake: 6.4 earthquake strikes San Juan Province, no tsunami warning issued

Mas as mudanças climáticas causadas pelas atividades humanas afetam esses fenômenos.

Apesar do efeito do La Niña em parte do Oceano Pacífico, a OMM projeta temperaturas da superfície do mar acima da média de dezembro a fevereiro, com exceção da parte noroeste do continente norte-americano, do subcontinente indiano e da Península Indiana.

Os modelos prevêem invernos “excepcionalmente quentes” no Extremo Norte, no Nordeste da Ásia e no Ártico.

Temperaturas acima da média também são esperadas no leste e sudeste da América do Norte, incluindo a maior parte do Caribe, mas também no nordeste da Ásia e na Europa.

Temperaturas acima da média também são esperadas no Pacífico Sul, e na parte tropical da África até Madagascar no leste.

Em contraste, grande parte da América do Sul terá temperaturas dentro da base.

A precipitação também deverá ser mais pesada sob a influência do La Niña no sudeste da Ásia, logo ao norte do equador, no sudoeste do Oceano Pacífico, bem como no nordeste e extremo nordeste do noroeste da América do Sul.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *