Joyeux Café abre em Lisboa: o primeiro no estrangeiro

Este sábado, 20 de novembro, o Café Joyeux abriu as suas portas em Portugal. É o primeiro Joyeux Café inaugurado fora da França. Este conceito foi criado por Yann Bucaille Lanzerac com a abertura do primeiro café e restaurante em Rennes, em 2017. Esta abertura do primeiro café Joyeux no estrangeiro surgiu de um acordo com a associação portuguesa Vilacomvida (chefiada por Filipa Pinto Coelho, que trouxe projecto para Lisboa), bem como com a Fundação Emeraude Solidaire.

O primeiro Joyo Café fora da França

A peculiaridade desse café é que ele emprega pessoas com deficiência, principalmente aquelas com síndrome de Down ou distúrbios cognitivos como o autismo. O objetivo é permitir que essas pessoas se integrem ao mundo do trabalho. Dê a eles a oportunidade, como todo mundo, de conseguir um emprego, de evitar ficar à margem da sociedade. Essas pessoas com deficiência são apoiadas por profissionais para lhes dar as competências básicas e orientá-los para a independência. O fundador Yann Bucaille Lanzerac esteve presente em Lisboa e falou-nos da sua satisfação e dos seus sentimentos durante uma entrevista, marcando a abertura do Este é um café alegre em Portugal.

Uma iniciativa com o apoio do Presidente da República Portuguesa

Este evento ficou também marcado pela presença das mais altas autoridades portuguesas e francesas. O Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, tomou a palavra para manifestar o seu agradecimento pelo projecto e também por esta causa que lhe é cara ”. A minha luta por esta causa é muito antiga, sou patrocinador de uma associação chamada “Diferenças”, e este nome diz tudo: somos todos diferentes e temos de o aceitar. A ministra francesa dos Negócios Estrangeiros, Sophie Clozel, responsável pelos deficientes, e a sua homóloga portuguesa, Ana Sofia Antunes, estiveram presentes. O novo prefeito de Lisboa, Carlos Moedas, bem como a embaixadora da França em Portugal, Florence Mangin, estiveram no local. Esta abertura surge no âmbito da Semana Europeia do Emprego das Pessoas com Deficiência. Este projeto permite dar “dignidade” e “reconhecimento” a essas pessoas, nas palavras do fundador dos Cafés Joyeux.

See also  RATP testa um ônibus Toyota a hidrogênio "feito em"

Entrevista com Yan Bucaille Lanzirac

O que significa para si abrir o seu primeiro happy café no estrangeiro e entre outros em Portugal?

Yan Bukai: É realmente muito divertido. É, antes de mais nada, o símbolo que a França pode representar em nível global na questão da inclusão. Também é uma grande alegria, porque acreditamos que a questão das pessoas com deficiência no ambiente de trabalho é um tema global que transcende fronteiras. Portanto, é surpreendente que abramos um café aqui. Obviamente, dizemos a nós mesmos que, se der certo, haverá outros, na Europa e talvez em outros lugares. Não estamos procurando crescer apenas por crescer, mas acho que é bom ter ambição.
Em relação a Portugal é um povo muito fixe. As pessoas têm um sentido de acolhimento e um sentido do outro e estamos muito felizes que comece por Portugal. Existe um conceito real de filantropia aqui. Ficámos a saber em particular com a Filipa (líder do projecto em Lisboa), uma mulher excepcional.

Você já tinha planos de abrir o Happy Café no exterior antes?

sim. Temos projetos em Bruxelas, mas também em outros países europeus. Estou pensando especialmente em Londres, Genebra e Espanha também. Temos pedidos em todos os lugares, mas temos que seguir em etapas. Não queremos nos espalhar para o exterior como uma empresa simples, industrialmente, esse não é o objetivo, queremos ser muito humanos.

Quais são as próximas inaugurações planejadas?

A próxima estreia será em Lyon. No exterior será Bruxelas. Estamos muito felizes.

Sophie Cluzel: “É um verdadeiro ponto de partida para proporcionar trabalho a pessoas com deficiência”

Como se sente durante a inauguração do Café Joyeux em Portugal?

Sophie Closel: Meus sentimentos ? É apenas alegria. É uma inauguração com uma presença muito forte do Presidente da República, do Presidente da Câmara, do Ministro de Estado português. Acho que é assim que mostramos que existe uma vontade política real de mudar a percepção das pessoas com deficiência, suas habilidades e sua vontade de trabalhar, entre outras. A localização é ótima, em frente à assembleia da república, é um grande ícone. Acho que os lisboetas vão vir aqui tomar um café porque quando vem ao Happy Cafe há uma alma a mais para te fazer sentir bem. Isso demonstra a superioridade daqueles profissionais que se tornarão, eles estão em formação, são hábeis em fazer. A comunidade abrangente foi construída além da fronteira, com a amizade franco-portuguesa.

É realmente encorajador. Sei que existem outros projetos em Portugal. É um verdadeiro ponto de partida para dar trabalho a pessoas com deficiência. Temos que mostrar que essas pessoas querem trabalhar, ser úteis, como todo mundo. Trazer essa mudança de perspectiva é importante para permitir a coesão social e uma sociedade inclusiva.

See also  Avanço europeu em transparência tributária para empresas multinacionais

2000

Abra a apresentação de slides – © MJ Sobral

Café Joyeux Lisboa, CALÇADA DA ESTRELA, 26 – LISBOA

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *