Jogo: A atuação do Danilo no Metz, é uma solução confiável para este tipo de jogo?

Por conta do sétimo dia da primeira divisão francesa, o Paris Saint-Germain venceu em Metz nos últimos segundos com um placar de 1-2. O treinador do Paris, Mauricio Pochettino, optou por um estilo 4-3-3 com um meio-campista algo inesperado formado por Wijnaldum, Danilo e Rafinha. Assim, ele deixou Herrera, Paredes, Jay ou Draxler no banco. Se o holandês perdeu a partida e o brasileiro foi prejudicado por sua capa de Hakimi, os portugueses produziram uma cópia incrivelmente boa.

Uma contribuição defensiva importante, mas alguns erros

O primeiro quarto de hora em Paris em Metz com certeza será um dos melhores da temporada 2021/2022. Nos primeiros segundos, Danilo passa para o centro da defesa junto com Marquinhos e Kimpembe quando o PSG pega a bola. O meio-campista central 4-4-2 do Paris Diamond também sinaliza ao jogador francês para mudar o pivô para que ele se posicione à esquerda desta defesa na sequência de posse.

No entanto, a atitude de Danilo é híbrida. Ele vacila entre a zona de defesa central e a sua vez no número 6: isto também conduz o primeiro ataque de Metz à esquerda da defesa parisiense, sendo que a distância entre Danilo e Nuno Mendes é muito grande. Depois disso, Danilo enfrenta bem a desistência e se sente muito bem. Mesmo quando Ndiaga Yade consegue rematar na grande área, o português provoca-o e controla-o bem numa posição imperfeita na área.

Danilo recupera muitas bolas e não poupa esforço, enquanto o Metz vive um momento forte no final do primeiro tempo. No entanto, seus esforços às vezes são em vão porque ele não é ajudado por seu amigo Wijnaldum ou pelos atacantes, e muitas vezes ele está muito longe da bola. O seu compromisso com a pressão e contrapressão permite que o Paris se mantenha à tona enquanto empurra Metz cada vez mais, em particular no lado esquerdo. Compromisso que falta em um duelo com Kouyate no gol do Metz.

No segundo tempo, Danilo continuou a recuperar as bolas e a manter a pressão sobre Messins. E balança novamente entre as duas defesas centrais no início do segundo tempo antes de encerrar a partida no meio da zaga ao lado de Marquinhos, saindo do centro para Draxler e entrando em Herrera mais revigorado que o português, que correu muito.

Um papel inesperado na construção ofensiva

Danilo é muitas vezes subestimado por suas dificuldades técnicas e por sua correspondência com o estereótipo do meio-campista alto e corpulento. No Metz, ele fez seu físico falar por si, mas também e acima de tudo, sua qualidade na bola. Centrado no ponto baixo de uma secção mediana em forma de diamante, os portugueses muitas vezes tinham espaço para reiniciar corretamente e escolher entre cinco, seis ou até sete jogadores para liderar o ataque em Paris. Se ele às vezes gosta de passes simples, ele também consegue alguns passes-chave. Principalmente quando ele levanta a bola bem alto e se livra dela rapidamente para soltar o atacante.

Ao manter a posse de bola, Danilo arrisca mais na segunda parte. Ele usa várias camuflagens e vence muitos duelos na bola para ganhar metros.

Danilo continua presente no início da segunda parte e joga um papel misto entre defesa-central e médio até aos 80 minutos, altura em que se junta a Marquinhos na dobradiça. Se o retorno já é feito pelos dois zagueiros central e lateral, Danilo é colocado em uma posição mais alta e assim oferece uma solução. Uma escolha independente que Paredes muitas vezes tem dificuldade em fazer, prefere manter sua posição baixa.

Danilo teve um bom desempenho no Metz e está entre os melhores parisienses desse encontro. A sua intensidade defensiva ajudou o PSG, embora ele não tenha sido absolvido de toda a culpa, uma vez que foi particularmente culpado contra o Metz. Surpreso com o uso da bola e não é estranho às longas defesas parisienses, bem como ao excelente contra-ataque no início do jogo.

O português oferece uma alternativa mais física ao Paredes no papel de ponto baixo do meio sem alargar um fosso muito grande em termos de qualidade técnica, pelo menos neste encontro. Porém, Danilo tem que melhorar significativamente nessas decisões de recuperação: muitas vezes ele está em uma posição muito boa, pode fazer escolhas mais vantajosas no ataque rápido.

See also  Vitória do Porto em Marselha, a um ponto das oitavas de final da Liga dos Campeões

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *