Imigrantes camaroneses residentes na Suíça decidiram investir em seu país

(Agência Ecofin) – Mais e mais expatriados estão visando os mercados africanos para o desenvolvimento de negócios. Na Suíça, 6 empresários de raízes camaronesas e portuguesas optaram por investir no cultivo de cacau e banana-da-terra nos Camarões.

Na região de Ntue, a cem quilômetros da capital camaronesa Yaounde, 6 jovens empresários que vivem na Suíça desenvolveram 112 hectares de produção de cacau e banana. Chamada FNA Corporation, ela produz e comercializa sementes e plantas, treina jovens em técnicas agrícolas e faz a transformação agroindustrial. Além da atividade agrícola, está envolvida na reforma de estradas e pontes e na construção de poços para água potável.

Os fundadores Lucien Fouda, Nick Amogo, Roland Ndungu dos Camarões, Fabio Carvalho, Achilles Ghost e Patrick Ferreira de Portugal encontraram-se num estádio de futebol em Rolle, na Suíça. Os seis parceiros investiram cerca de 450.000 francos suíços, ou pouco mais de 272 milhões de francos CFA, para tornar seu projeto uma realidade. A ideia de abrir uma fazenda em Camarões foi impulsionada pela experiência de Lucien Fouda em uma empresa suíça de comercialização de cacau.

« Eu entendi que há muitos intermediários lucrando entre o produtor e o vendedor do cacau beneficiado. À custa do produto, rastreabilidade e, em última instância, da qualidade do produto. Achei que a melhor maneira de consertar era me tornar produtor e comerciante ao mesmo tempo. »Veio Vaud e as regiões 24 horas.

Assim como eles, mais de 60% dos expatriados querem participar da África, de acordo com um estudo de 2019 da Innogence Consulting e do grupo marroquino Intelcia especializado em relacionamento com clientes. Como a África é um continente em crescimento, muitas pessoas da diáspora e afrodescendentes buscam os mercados para desenvolver negócios.

READ  Portugal encontra-se em recessão, PIB recuou 14,1% no segundo trimestre

O cacau constitui uma parte significativa das receitas de exportação dos Camarões, mas representa apenas 2% do PIB. Para melhorar a rentabilidade do setor, o estado começou a construir centros de processamento pós-colheita e a programas de treinamento em práticas sustentáveis ​​para reduzir os danos às lavouras.

A FNA trabalha em nome dos pequenos produtores da região para ajudá-los a obter conhecimentos e equipamentos para complementar sua renda. O estabelecimento de uma fazenda para a produção e processamento de produtos agrícolas também poderia criar empregos na região de Ntwi, limitando a migração de desempregados para o Ocidente.

O projeto financiado pelos fundadores Até agora, a principal dificuldade que enfrentaram foi arrecadar dinheiro em Camarões. Eles planejam chegar a investidores suíços públicos e privados e fazer campanha para arrecadar fundos para expandir sua empresa.

Fundada em 2016, a FNA plantou 300.000 cacaueiros e 160.000 bananeiras, com a primeira colheita prevista para breve. A empresa emprega atualmente 35 funcionários permanentes e trabalha com 50 produtos locais.

Aisha Moyuzami

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *