Fernando Pessoa, um misterioso monumento à poesia portuguesa

O autor de um livro O Livro das Problemas Fernando Pessoa, é um monumento a literatura Literatura portuguesa e mundial. Um monumento intrigante, especialmente devido aos muitos nomes heterogêneos, duplicatas de si mesmo inventadas por si mesmo (até cem, incluindo quatro maiores).

Para abordar este trabalho complexo e abundante, pode-se inalar lentamente (como se fume um charuto maravilhosamente em outra vida) a nova tradução, de Max de Carvalho, de Tabaco Bureau, Lançado pelas Edições Chandeigne. Pessoa atribuiu esses textos ao seu nome heterogêneo, Alavaro de Campos.

Brincadeira rude

O longo poema que dá título ao grupo é a cura para o humor negro niilista. “Eu não sou nada / Eu nunca serei uma coisa / Eu nunca poderei ser uma coisa.” Aqui está uma entrada radical … “Fui imediatamente levado para outra pessoa, não hesitei […] Quando eu quis tirar a máscara / Ela grudou no meu rosto / Quando eu finalmente a arranquei, me vi no espelho / Estava envelhecendo. “

no Revisitar Lisboa, Escrito em 1923 (Pessoa morreu de alcoólatra em 1935, aos 47 anos), com as seguintes palavras: “Você ainda pode correr / ir para o inferno sem mim / ou me deixar ir sozinho / por que diabos devemos ir juntos?” “

Por que devemos ler azul, quando é uma delícia acompanhar essa pessoa demônio?

Pessoas, Tabaco Bureau, Edições Chandeigne, 2019, 120 páginas, 12 €.

READ  Bruno Fernandez é um "futuro vencedor da Bola de Ouro", que se compara às lendas do Manchester United Cantona, Ronaldo e Kane.

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *