Faleceu Michel Perón, o mais brasileiro da família Begodin – Pont-l’Abbé



Morou no Brasil por mais de 60 anos, mas nunca deu as costas para sua amada Brittany. Ele retorna regularmente a Biguden para recarregar suas baterias, encontrar sua família e entes queridos lá, e comemorar seus aniversários com a namorada Emma e o primo “Dodonne” (falecido em 2017). Ele nunca esqueceu o perdão, as festas de Breton. Sempre uma palavra aos amigos perdidos ”, admite a filha Martine Neziroud Michel Peron faleceu no dia 13 de setembro em São Paulo, aos 89 anos.

Na origem do círculo celta “Les mouettes d’Arvor”

Participante da La Tour-d’Auvergne High School em Quimper e depois aluno da Lille’s Business School, ele tinha apenas 17 anos em 1947 quando estabeleceu o círculo celta Les mouettes d’Arvor em Penmarc h Acho que Michel escolheu o “Gaivotas” pela cor branca em reação ao “vermelho” do círculo celta de Benamar (Corolerin an Aod) apoiado pelo prefeito comunista da época ”, diz seu amigo Roger Rio, de Saint-Jean Trolémon. Um grupo de doze e doze bailarinas se apresenta em Bruxelas, onde será recebido pela Rainha Mãe Elizabeth. Marbleach! O jovem chefiaria a Juventude Estudantil Breton, uma rede de solidariedade bretã que tinha um escritório em Paris. No início dos anos 50, Michel Peron interessou-se pelo cinema quando o filme alemão “Dans tes bras” com Maria Scheele foi rodado em 1954 nas praias de Tronon e Trigénic. de add-ons.

“Nosso último bretão”

Mais tarde, após dois anos e meio de serviço militar, ele recebeu uma oferta de emprego em Nantes com o maior operário da construção civil do Ocidente: Drouin. Este o oferece para assumir a gestão de uma filial que acaba de abrir no Brasil. 1957. Michel Perón aprenderá português em Lisboa durante um estágio e irá para o exílio permanente no Brasil estabelecendo-se em São Paulo. Em 1975, Biguden juntamente com Loïc Péron (não aparentado) criaram a “Amicale des Bretons de São Paulo”, a associação francesa mais antiga do Brasil. Naquela época, cerca de quarenta pessoas aderiram a ele. São mais de 400 hoje. Foi Rennis Bertrand Dupont quem carregou a tocha há oito anos. “Perdemos um amigo que sempre foi alegre e gentil.

See also  Euro: a França pode garantir seu lugar

Amante eterno da Bretanha e de sua história, Michel foi o último bretão ”, nota Bertrand Dupont.“ Em 2019, durante a primeira Fête de la Bretagne no Brasil, prestamos uma sincera homenagem a ele, presenteando-o com uma placa comemorativa. ” Brasileiro de longa data, nos escrevia regularmente longas cartas contando sobre sua vida por lá, os acontecimentos políticos e econômicos do país com muito humor, significado e ironia sempre intercalados com algumas expressões bretãs. “Ele lembra do seu amor. A memória de Michel Peron será homenageado durante a próxima Fête de la Bretagne em São Paulo, que deve ocorrer em novembro. “Michel não gostava de um minuto de silêncio, por isso vamos aplaudir um minuto”, diz Bertrand Dupont.

You May Also Like

About the Author: Aldina Antunes

"Praticante de tv incurável. Estudioso da cultura pop. Pioneiro de viagens dedicado. Viciado em álcool. Jogador."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *