Escândalo em Portugal após o bilionário Roman Abramovici obter passaporte europeu por meio de sistema suspeito

A aquisição da cidadania portuguesa pelo bilionário russo-israelense Roman Abramovich sob uma lei de 2015 que traz de volta descendentes de judeus sefarditas deportados durante a Inquisição reacendeu a polêmica sobre essa legislação, de acordo com relatórios. Tempos de israel. O site de notícias israelense Ynet informou na semana passada que Roman Abramovich, um empresário russo bilionário e proprietário do famoso clube de futebol Chelsea em Londres, havia se candidatado à cidadania portuguesa alegando ser membro da comunidade judaica do Porto.

Relatórios não confirmados afirmam que parte da família Abramovich, que atualmente vive na Bielo-Rússia, tem raízes sefarditas. A Europa Oriental já foi o lar de milhares de judeus de origem sefardita. Imigrantes sefarditas estabeleceram a comunidade judaica em Zamosc em 1588 no leste da Polônia. Mas o uso da lei pelo bilionário Roman Abramovich gerou um escrutínio e críticas extraordinárias em Portugal, um membro da União Europeia cujos cidadãos podem viver onde quiserem.

A estação de rádio portuguesa TSF transmitiu e publicou uma declaração na terça-feira do jornalista investigativo Daniel Oliveira, acusando a comunidade judaica do Porto de transformar uma “lei justa em um ‘visto dourado’.” são “pouco claros” e disse acreditar que a organização portuense tem sido menos rigorosa na análise de candidaturas do que o grupo da comunidade judaica de Lisboa.

O promotor português, Abramovici, usou uma lei polêmica

O AbrilAbril, um portal de notícias de esquerda português, publicou na terça-feira um editorial apelando a uma revisão da lei da cidadania e propondo que Roman Abramovici e outros beneficiários da cidadania portuguesa por lei usem a sua influência para a manter inalterada.

A comunidade judaica do Porto confirmou que processou o pedido de cidadania de Roman Abramovich por uma taxa de € 250, ou cerca de US $ 283. O grupo portuense acrescentou que há anos a comunidade judaica de Lisboa tem dados sobre as origens de Abramovich. Também rejeitou as alegações de que a naturalização de Abramovichi foi de alguma forma afetada pela lei de 2015 e seus procedimentos. A comunidade portuense não respondeu de imediato às perguntas da JTA sobre a veracidade de um relatório do Ynet e outras publicações sobre a forma como Roman Abramovich está a financiar projectos municipais na cidade.

See also  Binotto está menos presente em campo

A organização portuense disse à Agência Telegráfica Judaica que assistia agora a uma “onda anti-semita” nas redes sociais na sequência do debate de Abramovich. Um porta-voz de Abramovich não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

A lei deveria ser mudada, mas as organizações se opuseram.

No ano passado, o Partido Socialista de Portugal retirou seus planos de mudar a lei devido às críticas de grupos judeus locais, que acreditavam que as mudanças propostas foram motivadas em parte pelo anti-semitismo. O Congresso Judaico Europeu também se opôs explicitamente a essas mudanças.

O governo confiou aos organismos municipais de Lisboa e do Porto a responsabilidade pela validação dos pedidos de cidadania, pelos quais cobram uma taxa de tramitação de várias centenas de dólares. Uma terceira comunidade em Belmonte também está buscando o status de verificação.

Na quarta-feira, o ministro português dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse que a naturalização de Abramovici foi “de acordo com a lei” e qualificou as suas críticas como “injustificadas”.

Dados do ano passado mostram que pelo menos 76.000 pessoas solicitaram o passaporte português de jure e 23.000 delas foram aprovadas. A Espanha também adotou legislação semelhante.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *