entrevistar. Baudouin Muanda: “Classpro-Culture será um ótimo lugar para cultura e entretenimento”

Águas da Bacia do Congo (LDBC): De onde surgiu a ideia de construir um centro cultural em Madbou?

Baudouin Muanda (BM): Comecei percebendo que muitas áreas remotas não têm um centro cultural em nosso país. Então me inspirei no que é feito no exterior, principalmente na França urbana, onde fiquei por um tempo. Contribuir para o desenvolvimento da população através de espaços de entretenimento, como a biblioteca, cinema, teatro e galeria de fotos que iremos apresentar. Isso permitirá que os residentes de Madibo e de outros lugares tenham um espaço cultural diferente do Institut Français du Congo ou do Centre Sonné Labou Tanse.

Este centro cultural incentivará promotores de escolas públicas e privadas a inscreverem os alunos nos diversos programas que serão oferecidos, nomeadamente na formação em fotografia de formação que irá gerar a cada ano as produções visuais que os alunos iniciam. Esses trabalhos serão exibidos e editados regularmente para o interesse do público escolar, famílias e outros públicos.

LDBC: Além dos treinamentos de fotografia, performances e oficinas de arte que o centro oferece, você acha que o público se apegará a esse conceito?

BM: Eu acredito firmemente que ele vai cumprir; Ainda estamos em construção e somos chamados quase todos os dias. Uma vez que reabilitámos o eixo principal que conduz ao centro, os residentes do novo percurso instam-nos a terminar a obra até à envolvência do local. Mais alegria por parte das escolas localizadas nas redondezas que se emocionam com a ideia de um espaço tão cultural por perto. O principal objetivo aqui é promover e revitalizar a cultura congolesa e em todas as suas dimensões.

LDBC: O que você pode nos contar sobre esse evento principal chamado Class Portrait?

See also  This restaurant located in the plateau area will serve out free macaroons when it opens on Friday!

BM: Esta atividade é, acima de tudo, a atividade de lembrar. A ideia é que as crianças tirem fotos em grupo, mas não profissionalmente e não com toda a turma e seus professores. Acho que tirar a selfie, à qual adicionamos a foto do grupo com toda a turma, vai agradar tanto aos alunos quanto aos pais. Graças a essas fotos, as crianças manterão vínculos com amigos que podem não estar na mesma classe, escola, cidade ou mesmo país em alguns anos.

LDBC: Como você planeja administrar este centro?

BM: Através de exposições (na galeria moderna) iniciadas por fotógrafos que cortam fundo no Congo. Estas fotos permitirão às crianças e ao público em geral conhecer o interior do país, a nossa história, costumes e tradições, pois estas exposições serão a base das reportagens. Podemos por exemplo fazer uma exposição sobre a vida do povo Spiti, a pesca na barragem, etc. Haverá também um vislumbre de outras culturas, pois estaremos viajando ao redor do mundo, o que é uma vantagem para as crianças na cultura em geral.

LDBC: Podemos dizer que o Classpro é um projeto social que visa o desenvolvimento dos moradores desse bairro?

BM: Definitivamente um verdadeiro projeto social, pois ofereceremos diversas atividades para divertir os moradores com atividades saudáveis. Sessenta anos, adultos e crianças encontrarão o que procuram. Tudo será feito para que este local traga um pouco de vida a esta região de baixa frequência. Será um local onde poderemos discutir de forma amigável enquanto ouvimos música, como Jacques de Loubelo e Moudanda … Uma forma de fortalecer o nosso património e apresentar à nova geração o nosso património musical e artístico em geral.

See also  O popular programa da Netflix "Squid Game" aumenta o interesse em aprender coreano

You May Also Like

About the Author: Aldina Antunes

"Praticante de tv incurável. Estudioso da cultura pop. Pioneiro de viagens dedicado. Viciado em álcool. Jogador."

Leave a Reply

Your email address will not be published.