Em Portugal, eleições antecipadas terão lugar no dia 30 de janeiro.

Os portugueses costumam perder crises políticas. Aqui estão eles novamente, já que a esquerda no Parlamento rejeitou o projeto de orçamento de 2022, em 27 de outubro, abrindo caminho para a dissolução da Câmara dos Representantes na quinta-feira, 4 de novembro, a partir da data de publicação do decreto do Presidente da República no Diário Oficial, e novas eleições em 30 de janeiro, um ano antes de uma de sua data de vencimento, no outono de 2023.

→ Manutenção. Em Portugal, “o clima político deteriorou-se ao longo do tempo”

45 bilhões de euros em fundos europeus

rejeição de orçamento para ele ‘Reduziu completamente a base de apoio do governo’Embora seja 2022 “Um ano crítico para uma saída sustentável da pandemia e crise social que nos aflige”O chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou em discurso transmitido pela televisão na noite desta quinta-feira.

A crise está aumentando o temor de que dois meses de pausa política antes da votação possam prejudicar o uso por Portugal de fundos europeus pós-pandemia reservados pela União Europeia, enquanto Lisboa foi o primeiro Estado-membro da UE a obter a aprovação de Bruxelas para um plano de recuperação. Como tal, Portugal deverá receber 45 mil milhões de euros, repartidos ao longo dos próximos sete anos, para fazer face aos impactos económicos e sociais negativos causados ​​pela pandemia.

A crise quebra também a relativa estabilidade do país, que é governada desde 2015 pelo primeiro-ministro socialista, Antonio Costa. Nessa data, pela primeira vez desde a Revolução dos Cravos de 1974, toda a esquerda se uniu para desmantelar a política de austeridade implementada pela direita em troca do resgate internacional concedido a Portugal em 2011.

See also  "Uma combinação maravilhosa de vários círculos"

Chega pode aproveitar as divisões à direita

Mas em 2019 com 36% dos votos, o primeiro-ministro socialista dispensou a renovação dos acordos com a esquerda que garantiam a estabilidade do governo minoritário. Ao votar em outubro contra o projeto de orçamento junto com a oposição de direita, a esquerda radical (o Bloco de Esquerda e o Partido Comunista) correu o risco de provocar eleições antecipadas.

Direito de avançar em arranjo disperso. O Partido Social-democrata (PSD), de centro-direita, está passando por uma reformulação – em 4 de dezembro, espera-se que eleja seu novo líder – mas, mesmo assim, espera aproveitar seu sucesso nas recentes eleições municipais, que lhe permitiram vencer, de forma surpreendente, Câmara Municipal de Lisboa. O outro partido de direita, o Partido do Povo (PP), não está em boa forma, com apenas 5 membros eleitos para o Parlamento. Finalmente, as divisões na direita poderiam beneficiar o novo partido de extrema direita Chiga, que entrou no parlamento em 2019.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *