Em meio à crise, as eleições foram adiadas indefinidamente no Haiti

(Port-au-Prince) As eleições presidenciais, legislativas e constitucionais do Haiti marcadas para novembro-janeiro foram adiadas indefinidamente, depois que o governo na segunda-feira demitiu membros da administração eleitoral, aumentando a incerteza do país.


Uma vez nomeados em 2020 pelo presidente Jovenel Moise, que foi morto a tiros em sua casa em 7 de julho de 2021 por comandos armados, os nove membros do CEP foram duramente criticados pela oposição e por membros da sociedade civil. Sociedade.

Depois de definir vários calendários eleitorais durante o ano, o Conselho Eleitoral Provisório fixou a data de 7 de novembro para organizar o primeiro turno das eleições presidenciais e legislativas, bem como para realizar um referendo constitucional.

Os segundos turnos de votação foram programados para 23 de janeiro de 2022, juntamente com as eleições municipais e locais.

Ao anunciar segunda-feira a destituição dos membros do Conselho Eleitoral Provisório por despacho publicado no Diário da República, o Primeiro-Ministro Ariel Henry prepara-se para nomear um novo Conselho, sem anunciar prazo para esta instituição.

O assassinato do chefe de Estado em sua residência em julho ampliou a crise institucional em que o Haiti vive há anos.

Antes de seu assassinato, Jovenel Moyes havia sido acaloradamente contestado, principalmente devido ao fracasso em organizar eleições desde que assumiu o poder em fevereiro de 2017.

Sem uma votação dentro do prazo, o parlamento haitiano não tem mais deputados desde janeiro de 2020 e apenas 10 dos 30 senadores permanecem no cargo, seus mandatos terminam em janeiro de 2023.

A ausência de qualquer agenda eleitoral enfraquece a classe política, profundamente fragmentada e dividida em um momento em que o país enfrenta uma grande crise humanitária e de segurança.

See also  Sul da Califórnia foi atingido por derramamento de óleo

De acordo com a Organização Internacional para Migração, aproximadamente 3.500 haitianos foram deportados nos últimos 10 dias para seu país de origem pelos serviços de imigração dos EUA.

O retorno massivo sem precedentes entre os dois países ocorre depois que dezenas de milhares de migrantes, a maioria haitianos, se reuniram sob uma ponte na fronteira entre o México e o Texas.

Esses refugiados, definhando na pobreza após meses de viagens pelo continente americano, encontram, após vários anos de exílio, um país atormentado pela insegurança das gangues.

Gangues armadas, que controlam os bairros mais pobres da capital haitiana há anos, estabeleceram controle sobre grande parte de Porto Príncipe, realizando quase duas dezenas de sequestros desprezíveis nos últimos dias.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *