Em Boulogne-sur-Mer, uma rede biodegradável com o desafio de combinar a pesca sustentável com os desafios econômicos

Em um esforço para acabar com a poluição marinha e terrestre devido às redes de náilon, a rede está sendo testada “100% biodegradável e biodegradável” em Boulogne-sur-Mer, a primeira na Europa, de acordo com o Escritório Francês de Biodiversidade.

O pescador Jeremy Devogel, que está testando este protótipo em condições reais em sua rede de emalhar, diz Nereïdes 2.

Para apanhar solas ao longo da costa entre Boulogne-sur-Mer e Le Treport, todos os dias ele navega 2.700 metros dessas redes, feitas de plantas e materiais fósseis, ou cerca de 30% de todo o seu equipamento de pesca.

Os protótipos foram desenhados na Bretanha na empresa Seabird, tecidos em Portugal e montados em Boulogne-sur-Mer (Pas de Calais). O projecto, implementado pelo Parque Natural Marinho dos Estuários da Picardia e do Mar Opala, contou com um financiamento de 760 mil euros de ajudas públicas e da França ao sector das pescas.

Vantagens dessas novas redes? Ele se rompe “depois de um ano e meio” e “chega-se à degradação total depois de cinco anos”, define Marie-Christine Grossell, responsável pela “caça e recreação profissional” no parque natural.

Ela acrescenta que o que torna as “possibilidades + pesca fantasma” “mínimas”, referindo-se às redes de náilon perdidas que continuam capturando peixes.

– Os pontos ainda estão muito soltos –

Quando as redes de plástico se perdem no mar, elas levam “várias centenas de anos para se deteriorar” com “consequências para os recursos e o trabalho econômico do pescador”, observa Frederic Vaskel, vice-diretor do parque natural.

Ele também tem uma vida útil muito curta, “quatro a cinco meses”, garante Vincent Mattel, engenheiro da Seabird. “Rapidamente chegamos a grandes quantidades de resíduos que são difíceis de reciclar e, portanto, estão amplamente enterrados”.

See also  22 países africanos importam suas moedas da Inglaterra e da Alemanha

Mas se a intenção for boa, em termos de desempenho, a malha biodegradável ainda não resiste à comparação.

Em 2020, Delogel pescou nessas redes, “em média, 35% menos em número e 26% menos em peso” do que os equipamentos convencionais, detalha Solène Peuget, que navega regularmente a bordo do Nereïdes 2 para acompanhar a experiência natural do parque de diversões. .

“O design da grade foi retrabalhado para se aproximar da grade tradicional, especialmente no que diz respeito ao tamanho e forma da grade”, explica Vincent Thathel. E para enganar melhor os peixes, “parte dos filés também tinha a cor verde – como os filés clássicos – enquanto no ano passado eram todos brancos”.

– Ainda anos de afinação –

Não é o suficiente, Sr. Devogel ainda: “Eles encolheram a malha, mas não foi o suficiente, os nós não estão apertados o suficiente, a malha está frouxa e o tecido de malha ainda não é elástico o suficiente”, explica Fisherman.

“Eles resolveram alguns problemas técnicos, mas criaram outros, e ainda é um protótipo e vai demorar alguns anos para ser resolvido”, acrescenta, sem se frustrar que deve continuar em 2022 até que passe por testes.

Para os profissionais, “a preocupação é ter artes de pesca, que certamente preservem o meio marinho, mas também os mantenham ativos”, afirma Thierry Messonnier, Diretor da Organização dos Produtores de Pesca do Norte, parceira do projeto.

O objetivo é “não ter uma rede mais eficiente, mas com um desempenho comparável às redes existentes, para conciliar a pesca sustentável com a continuidade da atividade econômica”, acrescenta o Sr. Messonnier. “Preservando o meio ambiente marinho, os produtores são sensíveis a ele e dependem diretamente dele.”

See also  BBL adquire provedor de logística Logvad

Paralelamente a esses testes no mar, estão em andamento testes de reciclagem – duas possibilidades estão sendo estudadas, compostagem e digestão anaeróbica -, além de um estudo de marketing. Outro modelo de malha biodegradável também deve ser testado no próximo inverno, na Fécamp.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *