Em Boulogne-sur-Mer, existem desafios líquidos biodegradáveis ​​que combinam a pesca sustentável com desafios econômicos

Boulogne-sur-Mer (AFP) – Em um esforço para acabar com a poluição marinha e terrestre por redes de pesca de náilon, uma rede “100% biodegradável e compostável” está sendo testada em Boulogne-sur-Mer, a primeira de seu tipo na Europa, de acordo com o escritório francês., para a diversidade biológica.

O pescador Jeremy Devogel, que está testando este protótipo em condições reais em sua rede de emalhar, diz Nereïdes 2.

Para apanhar solas ao longo da costa entre Boulogne-sur-Mer e Le Treport, todos os dias ele navega 2.700 metros dessas redes, feitas de plantas e materiais fósseis, ou cerca de 30% de todo o seu equipamento de pesca.

Os protótipos foram desenhados na Bretanha na empresa Seabird, tecidos em Portugal e montados em Boulogne-sur-Mer (Pas de Calais). O projecto, implementado pelo Parque Natural Marinho dos Estuários da Picardia e do Mar Opala, contou com um financiamento de 760 mil euros de ajudas públicas e da França ao sector das pescas.

Vantagens dessas novas redes? Ela se rompe “depois de um ano e meio” e “chega-se à degradação total depois de cinco anos”, diz Marie-Christine Grossell, responsável pela “pesca profissional e recreativa” no parque natural.

O que devemos fazer, acrescenta ela, é “possibilidades + pesca fantasma + minúsculo”, referindo-se às redes de náilon perdidas que continuam capturando peixes.

Os pontos ainda estão muito soltos

Quando as redes de plástico se perdem no mar, elas levam “várias centenas de anos para se deteriorar” com “consequências para os recursos e o trabalho econômico do pescador”, observa Frederic Vaskel, vice-diretor do parque natural.

Ele também tem uma vida útil muito curta, “quatro a cinco meses”, garante Vincent Mattel, engenheiro da Seabird. “Rapidamente chegamos a grandes quantidades de resíduos que são difíceis de reciclar e, portanto, estão amplamente enterrados”.

See also  Não é um 'ban', mas uma 'mensagem de despertar'

Mas se a intenção for boa, em termos de desempenho, a malha biodegradável ainda não resiste à comparação.

Em 2020, Delogel pescou nessas redes, “em média, 35% menos em número e 26% menos em peso” do que os equipamentos convencionais, detalha Solène Peuget, que navega regularmente a bordo do Nereïdes 2 para acompanhar a experiência natural do parque de diversões. .

“O design da grade foi retrabalhado para se aproximar da grade tradicional, especialmente no que diz respeito ao tamanho e forma da grade”, explica Vincent Thathel. Para enganar melhor os peixes, “parte dos filés também tinha a cor verde – como os filés clássicos – enquanto no ano passado eram todos brancos”.

Ainda anos de afinação

Não é o suficiente, Sr. Devogel ainda: “Eles encolheram a malha, mas não foi o suficiente, os nós não estão apertados o suficiente, a malha está frouxa e o tecido de malha ainda não é elástico o suficiente”, explica Fisherman.

“Eles resolveram alguns problemas técnicos, mas encontraram outros, e ainda é um protótipo e vai levar alguns anos para ser resolvido”, acrescenta ele, sem ficar frustrado por continuar em 2022.

Para os profissionais, “a preocupação é que tenham equipamentos de pesca para os peixes, o que certamente preserva o meio marinho, mas também os mantém ativos”, concorda Thierry Messonnier, Diretor dos Produtores Pesqueiros do Norte, parceiro do projeto.

O objetivo é “não ter uma rede mais eficiente, mas com um desempenho comparável às redes existentes, para conciliar a pesca sustentável com a continuidade da atividade econômica”, acrescenta o Sr. Messonnier. “Conservando o meio ambiente marinho, os produtores são sensíveis a ele e dependem diretamente dele.”

Paralelamente a esses testes no mar, estão em andamento testes de reciclagem – duas possibilidades estão sendo estudadas, compostagem e digestão anaeróbica -, além de um estudo de marketing. Outro modelo de malha biodegradável também deve ser testado no próximo inverno, na Fécamp.

See also  Antonio Coimbra Martins, diplomata e político português, faleceu

© AFP

Faróis de satélite para combater redes fantasmas no mar

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *