Economia, uma ciência imprecisa

Em 1917, essa prática foi instituída nos Estados Unidos, não para reduzir os gastos públicos como muitos acreditam, mas para dar flexibilidade ao braço executivo no contexto de seu envolvimento na Primeira Guerra Mundial Antes da história da dívida, era o Congresso que determinava como financiar os gastos, seja emitindo títulos de 30 anos ou impondo novos impostos. A Lei do teto da dívida dos EUA de 1917 foi na verdade uma lufada de ar fresco para o governo, que tinha liberdade quase total para administrar os gastos no campo de batalha.

Essa prática, hoje ultrapassada, continua, porque o Congresso dos Estados Unidos deve elevar periodicamente esse teto para que o Governo dos Estados Unidos da América possa cumprir seus projetos de lei, não sem posições de parlamentares conservadores que lamentam os gastos condenados.

“Economia” é uma ciência difícil?

No entanto, mentes de vanguarda sugerem contornar a obrigação do ramo executivo de comparecer perante um Congresso necessariamente politizado, derretendo moedas de platina na faixa de US $ 1 trilhão. Assim, o Tesouro seria capaz de financiar o estilo de vida do Estado, não emitindo novos títulos ou aumentando o teto da dívida, mas bombeando os fundos necessários do Federal Reserve através da esteira da criação monetária. Iniciativas como essas – veiculadas nos Estados Unidos por vozes importantes como o Prêmio Nobel de Economia Paul Krugman ou o jornalista Joe Weisenthal – são mensagens educacionais poderosas enviadas aos cidadãos.

De fato, grupos como os Estados Unidos ou a União Européia não precisam se preocupar com o tamanho de seus déficits fiscais, pois controlam totalmente a cadeia de criação de sua própria moeda. Essas nações soberanas – que nunca ficarão sem dinheiro – podem usar esse enorme poder para combater a crise climática criando o máximo de moeda possível para transformar sua economia. Em suma, uma mudança de paradigma é extremamente necessária, e isso só acontecerá se os cidadãos compreenderem como o dinheiro funciona.

See also  Antoine da Costa, presidente do Lab'Science e Dagard, construtor de salas limpas, é uma história de sucesso

Sistema post-mortem.

Porque a “economia” não contém muita ciência: deve quase tudo à subjetividade. Como seu jargão invade nossas vidas, é fundamental que percebamos que a economia está ao nosso alcance. A impotência de nossos governantes em face do mundo do dinheiro, assim como nossa frustração e impotência em face de linguagem e gramática deliberadamente obscurantistas, ainda assim tem o efeito de abandono cívico. Uma interpretação do texto pode ser valiosa, porque uma compreensão da economia pode ser reduzida a uma generalização de alguns critérios básicos. A economia é um sistema “post-mortem” (que só percebe os fatos depois que eles acontecem), então como pode pretender condicionar as mulheres e os homens políticos que mais frequentemente recorrem às suas crenças?

São austeridade, ortodoxia, conservadorismo econômico realmente voltados para a redução do déficit ou são apenas pretextos para reverter o estado, desmontando o resto dos programas sociais no processo, levando à anorexia no estado que automaticamente se traduz em bulimia do setor privado, e acima de tudo finanças? Agora é hora de falar novamente de Keynes que (em 1936) terminou sua “Teoria Geral” defendendo a “socialização” do investimento, uma questão grave demais para ser deixada apenas aos mercados financeiros. Por isso é tão importante compreender como funciona o monopólio da criação de dinheiro, que deve ser colocado ao serviço do interesse público. Na ausência dessa determinação, a ação do Estado é ou é ineficaz para a minoria. Isso se transforma em “pobreza em meio à abundância”, nas palavras de Keynes, que deixou seu ponto perfeitamente claro ao descrever um contexto onde “onde há muitas casas, mas onde ninguém encontra lugar por falta de meios”.

See also  Sem vida em Marte? Veja por que são boas notícias | Ciência | Notícias o sol