DSCH EXCELLENT – Banda de Shostakovich em trios com clarinete de Beethoven

Ludwig van Beethoven (1770-1827) : Trios para piano, clarinete e violoncelo, referência 11 “Gassenhauer” e referência 38, após 20 de setembro. DSCH – Banda Chostakovich: Philip Pinto Ribeiro, Piano; Pascal Moragis, Clarinete; Adrian Brindle, violoncelo. 2020. 62’56. Manual em inglês e francês. 1 comprimido de Paraty 170332.

É uma ideia muito boa ter combinado as duas únicas obras de Beethoven que ele pensou nesta mistura de piano, clarinete e violoncelo. Em relação aAutor 11É a composição inicial, ainda que o compositor imaginasse que o violino poderia substituir o clarinete. Mas, como especifica o texto do CD, “o sino bem marcado de cada um dos três instrumentos – o sopro, a corda e o teclado – – quando combinados, conferem à obra um encanto e uma cor rica em contrastes sedutores. ” , O que é menos provável com o piano tradicional, violino e violoncelo triplo. Na verdade, as propriedades do clarinete foram exploradas por Beethoven de tal forma que o violino não poderia substituí-lo sem prejudicá-lo. Principalmente quando Pascal Moragis se encarrega de administrar, como aqui, ele consegue ir do veludo mais discreto ao apóstrofo!

Quanto aoAutoria 38, É na verdade uma cópia do próprio Beethoven, dele Sat para Violino, Viola, Violoncelo, Double Peace, Clarinete, Hornet e Fagote, Referência 20, Que ele havia escrito três anos atrás. Mas aí, o texto do programa não elogia mais a nova combinação robótica … e por um bom motivo: estamos perdendo muito. isto é barreira Ele realmente tem todo o canto: a figura com seus seis movimentos (incluindo um passo no último), e principalmente o estado de espírito para o entretenimento ao ar livre, que perdemos com o piano, que é difícil imaginar em qualquer lugar que não seja a sala de estar ou sala de concertos, e também com os baixos desaparecem Dupla, garantindo na versão original uma presença vocal indispensável, vinda das profundezas. Depois, em detalhe, uma série de passagens onde o acasalamento das madeiras, nomeadamente entre os três instrumentos de sopro, perde o seu sabor incomparável.

Os intérpretes são membros do “DSCH – Ensemble Shostakovich” (DSCH é a assinatura musical, com notação alemã para notas, do compositor russo: Ré / Mi bemol / C / Si bemol normal, dada a transcrição alemã do seu nome: Dmitri Schostakovich) , fundada no ano de 2006 pelo pianista português Felipe Pinto Ribeiro. Esta é a sua segunda gravação, depois de Full Chamber Music of Piano and Strings da pessoa que deu o nome (the Three Sonata – Violino – Viola – Violoncelo – ambos Triplo E a Pentagrama) Este álbum duplo, gravado em 2018, foi bem recebido pela crítica.

Para Beethoven, encontramos Felipe Pinto Ribeiro ao piano, claro, e Adrien Brindle (filho de Alfred) ao violoncelo, acompanhados aqui pelo clarinetista Pascal Moragis, conhecido do público parisiense que o encantou há quarenta anos pelo clarinetista. Solo na Orchestre de Paris.

Eles oferecem uma interpretação muito sedutora e viva dessas duas obras, tudo com sutileza e delicadeza. Felipe Pinto Ribeiro tem um sentimento roubado Polidas, com um toque leve, nítidas mas sem secura, as terminações de frases têm rara sutileza. O clarinete Pascal Moragis apresenta uma variedade de cores, ataques e nuances específicas para o instrumento, claro, mas este músico é exacerbado com facilidade, comprometimento e espírito. Quanto a Adrian Brendel, ele tem uma jogabilidade feroz e apaixonada, e às vezes mais enérgica do que seus parceiros.

EU ‘Autor 11 É um sucesso completo: Allegro Contrastantes, suaves, conforme abundam as intenções musicais; devagar Os três instrumentistas competem em uma expressão particularmente dramática e comovente, e cada um deles tem suas próprias características; Conclusão (Estas são variações de um tópico muito popular para uma ópera de Joseph Weigel, daí o subtítulo para este Autor 11“Gassenhauer”, que pode ser traduzido por “tubo”: uma música de ópera tão famosa que todos se importam) espiritual à vontade, onde músicos, especialmente Pascal Moragis que terminam com seus sons de metais, explodem em nos convencer completamente de que o violino não pode definitivamente substitua o clarinete.

Claro, encontramos todas essas qualidades na interpretaçãoAutoria 38. Apesar de tudo, permanecem reservas quanto à própria transcrição. Observe que o clarinete desempenha um papel principal na versão original e Beethoven minimiza a perda preservando-o. Especialmente porque a performance de Pascal Moragus aqui é, mais uma vez, em todos os aspectos notavelmente viva e animada. Mas seus parceiros podem tirar o melhor proveito deste acordo, não podemos deixar de lamentar o original. Mesmo que ele não fosse o maior de Beethoven, e que ele próprio estivesse muito chateado com seu sucesso (o que não o impediu, portanto, de fazer esta versão para piano, clarinete e violoncelo, em seu interesse certamente mais comercial do que artístico), estes barreira Cheio de imaginação e combinações musicais divertidas. Nós os perdemos aqui em grande parte. O texto do programa admite isso implicitamente, pelo menos em relação ao quarto lance:Andante Criado em várias variações de um tema de aparência popular, onde cada ferramenta é apresentada. Quando esses instrumentos vão de sete para três, independentemente dos atributos dos três músicos e da habilidade de arranjo, o interesse diminui.

Portanto, devemos ouvir esta gravação sem saber a referência original. E aí podemos ouvir uma explicação paraAutoria 38 Muito alegre, cheio de espírito e cor. Assim como em umAutor 11 Quem não sofre de nenhuma dessas reservas.

Voz: 9 – Texto: 7 – Referência: 8 – Interpretação: 9

Pierre Karev

READ  Foot - ITA - Juventus está sob supervisão de Torino na Série A italiana

You May Also Like

About the Author: Aldina Antunes

"Praticante de tv incurável. Estudioso da cultura pop. Pioneiro de viagens dedicado. Viciado em álcool. Jogador."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *