Dobbs. Em Besançon, uma linha de roupas 100% carcerária foi estabelecida

Assim que entrou na cela, admitiu que havia passado horas desenhando seus pensamentos em folhas brancas, com uma motivação nunca antes vista. Como Frédéric, Adil e Bafodé, os três outros presos escolhidos pelo centro de detenção em Besançon, Sebastien se envolveu sem contas desde abril em um novo projeto: a criação de uma linha de roupas do zero.

logotipo da abelha

“Já estou fazendo escola remota para tentar passar no bac, mas também é uma ótima experiência. No começo, não sabíamos aonde isso nos levaria”, admite Sebastian. Ao lado dele, Frederick assentiu. Ele aprecia essa “lufada de ar fresco” que dá vida à vida cotidiana com horizontes limitados. “Começamos do nada, tínhamos que fazer tudo. Tem o visual, mas também o material, o tipo de tecido, e é uma loucura quantas escolhas precisam ser feitas …”, explica Adel, orgulhosa do emblema que seu grupo escolheu, Bee, um símbolo quente de auto-sacrifício coletivo. ..

Pranchetas espalhadas sobre uma mesa em frente a eles definem o tom. Pago, os quatro prisioneiros não estão lá para rir … Derek é um crochêter satisfeito. Com um orçamento de algumas dezenas de milhares de euros, este jovem empresário de 25 anos bateu às portas grossas da administração penitenciária com um plano meticuloso em mente: colocar o tempo, a energia e a imaginação do detido em lucro. , para criar este tipo de roupa.

‘Negócios baseados na confiança’

“É um trabalho baseado na confiança. Eles confiam em mim e eu confio neles. É uma colaboração de seis meses e, se as coisas correrem bem, gostaria de restabelecer outros grupos de prisioneiros em outros lugares”, diz Derek. Suas roupas de marca de 1º de maio seguem uma linha assumida, amarela, roxa escura, sóbria, elegante e de rua da moda. “Atualmente, temos dezenas de produtos”, enumera Dereck Crochet. T-shirts, fatos de treino, camisolas, chapéus e bonés deverão sair dos workshops em Portugal e na Lituânia. “O bom é que podemos ir para lá”, tenta Adil, piscando para o diretor penitenciário encarregado do trabalho da prisão, Jean Blaise, que retribui o sorriso. bem ali… “

See also  Os direitos do trabalhador autônomo

“Mal posso esperar para ver o resultado”

Patrick LeBose, diretor do centro de detenção preventiva em Besançon, saúda a iniciativa, que diz carregar “valores republicanos de inclusão”. Além de seu empregador, o trabalho de Derek Crochet, Sebastian, Adel, Frederic e Pavodie ainda não acabou. Agora é a vez do marketing, principalmente por meio das redes sociais. Assim que o projeto amadurecer, um site de vendas online também será criado. Adel prevê: “Mal podemos esperar para ver o resultado.” Ele não é a única pessoa.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *