Depois de Hong Kong, Macau “suspende” as actividades do seu escritório de representação em Taiwan

Hong Kong | Depois de Hong Kong, Macau anunciou quarta-feira uma “suspensão” temporária das actividades do seu escritório de representação em Taiwan, visto que as duas cidades “semi-autónomas” estão sob a influência crescente de Pequim, que considera a ilha uma das suas províncias.

Em breve comunicado, Macau anunciou que a delegação económica e cultural de Taiwan suspenderá as suas actividades a partir de 19 de Junho.

Em resposta, o Conselho de Assuntos do Interior da China, que trata das relações com a China, expressou seu “profundo pesar”, dizendo que seu escritório comercial na ex-colônia portuguesa permaneceria aberto.

Macau não deu qualquer explicação para esta decisão, mas a terminologia utilizada é idêntica à utilizada em meados de Maio por Hong Kong.

Poucos dias depois, o governo de Hong Kong deixou claro que os motivos da suspensão eram políticos, acusando Taiwan de “ingerência excessiva” em seus assuntos e de ser “responsável por danos irreparáveis” em suas relações.

A posição oficial das autoridades de Hong Kong e Macau em relação a Taiwan é a mesma de Pequim, que considera a ilha uma província rebelde destinada a regressar aos braços da pátria mãe, se necessário pela força.

Taiwan continua sendo um importante parceiro comercial, no entanto, os escritórios de representação foram estabelecidos em um momento em que as relações eram mais calorosas.

Relações entre Taiwan e China, desde que o presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, chegou ao poder em 2016, de um partido tradicionalmente hostil a Pequim.

Em 2019, Hong Kong foi por vários meses palco de uma massiva mobilização popular para exigir reformas democráticas e denunciar a interferência de Pequim nos assuntos do território supostamente autônomo.

See also  Cristiano Ronaldo frustrado com o último golo rejeitado frente à Sérvia: "Há momentos difíceis de gerir, especialmente quando se sente que uma nação inteira foi afectada"

Em 2020, as autoridades chinesas começaram uma forte tomada de controle de sua região, especialmente impondo uma rígida Lei de Segurança Nacional, o que levou ao exílio de muitas pessoas.

O presidente Tsai, um animal de estimação em Pequim, prometeu apoiar o campo pró-democracia de Hong Kong e abriu um escritório especial no ano passado para lidar com os residentes de Hong Kong que buscam se mudar para a ilha, irritando Pequim.

Quase 11.000 pessoas se mudaram de Hong Kong para Taiwan em 2020, um número recorde.

You May Also Like

About the Author: Aldina Antunes

"Praticante de tv incurável. Estudioso da cultura pop. Pioneiro de viagens dedicado. Viciado em álcool. Jogador."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *