De acordo com um estudo | Tubarões confundem surfistas com suas presas

(Paris) Tubarões que se alimentam de surfistas ou nadadores têm visão tão ruim que os cientistas concluíram que podem estar confundindo-os com sua presa usual, como o leão-marinho, mostrou um estudo na quarta-feira.


pierre celerier
Agência de mídia da França

Os autores do artigo escreveram em interface de usuário, Revisão da Royal Society. Eles concluíram que seu trabalho “apóia a teoria da identificação incorreta para explicar mordidas específicas”.

“Este é o primeiro estudo a testar esta teoria do ponto de vista de um tubarão branco visual”, disse à AFP a autora principal Laura Ryan, pesquisadora do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade Macquarie da Austrália.

Os ataques de tubarão ainda são raros (menos de 60 ataques globalmente em 2020), de acordo com um departamento especializado da Universidade da Flórida. Mas eles mantêm, segundo o estudo, um clima de medo “desproporcional”, que está associado ao desconhecimento dos motivos do animal, principalmente quando o ataque não é provocado. Às vezes, o resultado são expedições de caça que também prejudicam outras espécies.

Tubarões brancos, tigres e buldogues costumam atacar surfistas.

Se o tubarão branco é conhecido por detectar sons e cheiros a uma grande distância, presume-se que ele confia principalmente em sua visão para localizar e visar a presa.

Não é sensível à cor

No entanto, o sistema visual do tubarão é quase insensível à cor e tem uma capacidade muito pobre de distinguir detalhes de forma. Segundo o estudo, sua capacidade de análise, que é até seis vezes menor que a de um humano, é menor nos pequenos tubarões brancos, que apresentam maior risco de picadas fatais para os surfistas.

See also  Mau funcionamento técnico antes do quarto voo de helicóptero em Marte

Para testar a teoria da identificação incorreta, a equipe do Macquarie fez “vídeos tirados do ponto de vista de um tubarão e processados ​​com software para imitar o sistema visual do tubarão”, especificamente sua capacidade de distinguir forma e movimento, explica o cientista.

Para isso, eles gravaram do fundo do aquário fotos e vídeos de um leão marinho e uma foca, uma iguaria de um tubarão, que passará perto da superfície, poucos metros acima do nível do mar, acima de um tubarão. Eles então compararam seus sinais aos de nadadores e surfistas remando seus braços, com ou sem chutes, nos três principais tipos de pranchas de surfe (pranchas longas, pranchas curtas e híbridas).

Da perspectiva de um pequeno tubarão branco, as pistas de movimento de um nadador, como as de um surfista remando em sua prancha, são quase indistinguíveis das dos ungulados, de acordo com o estudo.

Principalmente na água do mar, onde a visibilidade é menor do que no aquário usado para o experimento.

Quanto à forma, um batedor com nadadeiras dobradas se parece mais com um nadador ou surfista em sua prancha curta do que com nadadeiras alongadas. diz mNS Ryan, que observa que “houve acidentes mordendo longboards”.

Os pesquisadores agora tentarão determinar se uma mudança nas pistas visuais de uma presa em potencial seria uma forma eficaz de proteção contra os tubarões brancos, continua o cientista.

Com o imperativo de soluções que “não só previnam picadas de tubarão, mas não ponham em perigo outras espécies marinhas”.

You May Also Like

About the Author: Octávio Florencio

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *